Fazendas espaciais: a inovadora agricultura do futuro da humanidade

Saiba mais sobre o projeto alimentício e quão distantes estamos dessa realidade

Fazendas espaciais: a inovadora agricultura do futuro da humanidade
12/11/2019 • 2 min. de leitura

Cultivar plantas no espaço pode se mostrar um avanço muito necessário para o futuro da exploração espacial. Quanto mais longa for a missão dos astronautas, mais importantes as fazendas espaciais devem ser.

"Para ser eficiente, os habitantes precisam comer localmente, o que significa que temos que encontrar uma maneira de produzir alimentos em Marte a partir de resíduos reciclados", declarou Bruce Bugbee, um botânico da Universidade Estadual de Utah, nos Estados Unidos.

Não é fácil produzir alimentos no espaço, mas é possível. Os cosmonautas russos foram os primeiros a comer alimentos gerados em culturas espaciais experimentais, em 2003; logo depois, os astronautas americanos ingeriram o primeiro alface cultivado no espaço.

Agricultura Espacial (Fonte: Portal Macauba/Reprodução)
(Fonte: NASA/Reprodução)

O cultivo em fazendas espaciais seria uma maneira mais fácil e barata de alimentar os astronautas em órbita. Os alimentos cultivados lá poderão um dia corresponder a um quarto ou até mesmo à metade das necessidades diárias dos astronautas.

No entanto, os desafios ainda são muitos. Alguns estão relacionados à obtenção de água e nutrientes suficientes para o desenvolvimento dos alimentos; já outros são mais específicos do ambiente espacial, como a radiação cósmica, a falta de atmosfera e os baixos níveis de luz.

Andamento e avanços do projeto

Fazenda Espacial (Fonte: Plant Project/Reprodução)
(Fonte: 20th Century Fox/Divulgação)

Há 30 anos, a Bugbee vem trabalhando com a NASA no desenvolvimento de sistemas fechados para o cultivo de plantas a bordo de ônibus espaciais e na Estação Espacial Internacional (ISS). Já existem pequenas estufas espaciais capazes de cultivar plantas.

Enquanto isso, na Alemanha, engenheiros espaciais estão construindo um satélite (EU:Cropis) para gerar tomates no espaço, o qual deverá girar em torno da Terra com as sementes sendo germinadas em seu interior.

Até mesmo uma experiência com ratos de laboratório e algas está em andamento em Barcelona (Espanha), executada pelo consórcio Melissa. O objetivo é desenvolver os sistemas de suporte de vida para as viagens espaciais. Nessa experiência, os ratos respiram o oxigênio a partir de algas, enquanto as algas respiram o CO2 (dióxido de carbono) produzido pelos ratos.

Curtiu o assunto? Reunimos especialistas e autoridades de diferentes áreas do setor de agronegócios. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Euronews, Alltech, Agriculture, Plant Project.