Como o balanço patrimonial ajuda a reduzir custos em fazendas

Para se destacar no competitivo setor do agronegócio, é preciso conhecer todos os custos da fazenda para saber como é possível reduzi-los

Como o balanço patrimonial ajuda a reduzir custos em fazendas
16/04/2020 • 3 min. de leitura

Para reduzir os custos de uma fazenda é necessário, em primeiro lugar, entender em que e como os recursos estão sendo gastos. Com isso, o gestor da propriedade rural pode realizar um orçamento mais assertivo, a fim de evitar gastos desnecessários ou financiamentos que irão comprometer a renda. Para entender todo o fluxo de dinheiro deve-se fazer um balanço patrimonial, que é uma das três demonstrações financeiras que fornecem informações críticas sobre uma empresa e ajudam na redução de custos; as outras são demonstração de resultados e fluxo de caixa.

(Fonte: Freepik)

O balanço patrimonial fornece uma imagem da posição financeira da fazenda, em uma data específica, por meio da descrição dos ativos pertencentes a ela e da listagem dos passivos ou das obrigações financeiras para terceiros. Também conhecido como demonstração do patrimônio líquido, um balanço bem preparado pode fornecer um resumo de crescimento dos negócios agrícolas, liquidez, solvência e capacidade de suportar riscos.

Balanço patrimonial na redução de custos em fazendas

As informações do balanço são organizadas em duas colunas: ativos e passivos. Geralmente, a coluna à esquerda descreve os ativos e a coluna à direita indica os passivos.

Ativos são itens de propriedade da empresa que têm valor, incluindo os itens usados para a produção daquilo que é vendido. Os ativos são, entre outros, inventários de caixa, grãos e alimentos para animais, despesas pagas antecipadamente, pecuária de mercado, pecuária de criação, máquinas e equipamentos, prédios e terras.

Passivos são as dívidas com terceiros, que são credores comerciais (realização de empréstimos), fornecedores (compra de insumos) e particulares (locatários de terras ou equipamentos agrícolas). Os passivos do balanço incluem obrigações financeiras pendentes, que ainda não atingiram a data de pagamento, para despesas operacionais da fazenda, como alimentos para animais, sementes e combustível. Outras responsabilidades também podem incluir empréstimos e financiamentos realizados com instituições financeiras.

O total de ativos e passivos no balanço patrimonial é usado para determinar o patrimônio do proprietário, ou patrimônio líquido, dos negócios. O patrimônio líquido representa o valor da empresa livre de dívidas e pode ser calculado como:

  • Total do ativo - total do passivo = patrimônio líquido

Termos utilizados para ativos e passivos

Além das amplas categorias de ativos e passivos, o balanço patrimonial categoriza os itens por termos de vida útil, que é a quantidade de tempo em que um item provavelmente será utilizado nos negócios. Tanto os ativos quanto os passivos são classificados em termos de vida útil atual, intermediária e longa ou fixa. Alguns credores agora combinam "intermediário" e "longo prazo" em uma categoria, simplesmente usando as opções "atual" e "não atual".

(Fonte: Freepik)

O ativo circulante é definido por valores ou itens que podem ser facilmente convertidos em dinheiro em um ano ou menos. Os ativos correntes comuns incluem dinheiro, poupança, despesas pagas antecipadamente, lavouras, inventários de colheitas, gado comercializado, contas a receber, sementes, alimentos para animais, fertilizantes e outros suprimentos disponíveis.

Ativos intermediários têm uma vida útil assumida de um ano a dez anos. Normalmente, são criação de animais, máquinas, equipamentos, veículos com títulos e valores mobiliários não facilmente negociáveis.

Ativos de longo prazo ou fixos geralmente são itens permanentes com vida útil assumida de mais de dez anos e incluem terras, melhorias como azulejos e cercas, edifícios, fazendas, retenções de capital, investimentos e outros itens similares.

Passivo circulante são obrigações devidas e pagáveis nos 12 meses seguintes. Os passivos correntes comuns incluem contas a pagar (faturas), saldos de cartão de crédito, linhas de crédito operacionais, juros acumulados e principal devido em empréstimos intermediários e de longo prazo nos 12 meses seguintes.

Passivos intermediários são dívidas que devem ser pagas entre 13 meses e dez anos, geralmente associadas aos ativos intermediários da fazenda. São o principal remanescente nos empréstimos para máquinas e equipamentos ou na compra de animais para criação.

Passivos de longo prazo ou fixos são dívidas com prazo superior a 10 anos e normalmente incluem terras ou hipotecas de construção. Os empréstimos são classificados como passivos intermediários ou de longo prazo com base na sua duração original; por exemplo, quando faltam oito anos para pagar uma hipoteca de 20 anos, ela continua sendo listada como um passivo de longo prazo no balanço.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: Magistech