Conheça o evento

Como criptomoedas podem ajudar a diminuir o aquecimento global

Nova alternativa de mineração de criptomoedas é aposta para redução dos gases poluentes lançados na atmosfera

Como criptomoedas podem ajudar a diminuir o aquecimento global
16/03/2020 • 3 min. de leitura

Segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM), a concentração de dióxido de carbono na atmosfera alcançou nível recorde em 2018, tendo registrado 2019 como um dos anos mais quentes desde que existem registros confiáveis. Além da queima de combustíveis fósseis, da agropecuária, do descarte de lixo e do desmatamento, a mineração de criptomoedas contribui para o avanço do aquecimento global. Estima-se que cerca de 1% de toda a energia mundial seja utilizada para o processamento de criptomoedas, valor que equivale ao consumo elétrico em alguns países.

Como a criptomoeda influencia o aquecimento global?

As criptomoedas são produzidas por meio de computadores que realizam cálculos e são conectados à internet, no processo chamado de mineração. Logo no lançamento da Bitcoin, a criptomoeda mais famosa existente, o processo de mineração era mais fácil: bastava que o usuário tivesse um software específico para produzir a moeda. Com a ascensão do produto, viu-se a necessidade de restringir a quantidade de pessoas que pudessem realizar a mineração; com isso, apenas computadores mais potentes teriam essa possibilidade, visto que o esforço da máquina em resolver os códigos seria bem maior. Hoje, são utilizados grandes data centers para essa atividade.

Máquinas mais preparadas, no entanto, representam maior consumo de energia, pois, além do tempo ligado à tomada, eles precisam de um ambiente com temperatura adequada. Para tal, é necessário que aparelhos de ar-condicionado de alto desempenho trabalhem 24 horas por dia, o que resulta em uma grande quantidade de energia utilizada.

(Fonte: Pixabay)

Blockchain, tecnologia PoW, PoS e PoC

Para entender o processo de mineração da criptomoeda, é necessário falar sobre as tecnologias e os conceitos envolvidos. Blockchain é uma espécie de "livro contábil" no qual são registradas todas as transações envolvendo criptomoedas, sendo considerada uma biblioteca pública espalhada por diversas partes do mundo e com acesso liberado aos registros.

Proof of Work (PoW ou Prova de Trabalho) é a forma de mineração mais conhecida e utilizada. Os computadores mineradores de criptomoedas têm a tarefa de "calcular" ou "processar" informações para que os códigos na blockchain se completem. Esse é o modelo que consome mais energia e requer um grande processamento de dados, já que trabalha com códigos altamente complexos.

Proof of Stake (PoS ou Prova de Participação) usa uma espécie de sistema de sorteio aleatório; quem tem mais criptomoedas tem maior chance de conseguir minerar outras. A vantagem dessa tecnologia é que o sistema utiliza pouca energia, já que requer um baixo volume de processamento de dados.

Proof of Capacity (PoC ou Prova de Capacidade) é a que utiliza o espaço de armazenamento como prova de capacidade. É muito semelhante ao PoS mas, nesse caso, quem tem mais espaço de armazenamento tem mais chances de conseguir minerar criptomoedas.

Amazonas Coin deve mudar relação de criptomoeda e aquecimento global

(Fonte:amazonascoin)

A fim de diminuir o impacto negativo que as criptomoedas vêm exercendo no meio ambiente por conta dos altos gastos de energia, foi criada a Amazonas Coin. A instituição tem um modelo de negócios que visa levar investimentos para projetos sustentáveis, com um time de especialistas que trabalham na tecnologia PoC, diminuindo consideravelmente a quantidade de energia necessária para o processamento de criptomoedas.

Os planos da Amazonas Coin vão além de estimular o uso da tecnologia que gasta menos energia na produção de criptomoedas. A empresa também tem o objetivo de incentivar os investimentos em outros projetos que tenham um cunho sustentável. Ao adquirir uma criptomoeda Amazonas Coin (AMZ), 25% do fundo são destinados ao patrocínio de projetos verdes, e o investidor tem a opção de participação nos lucros.

A Amazonas Coin também estuda com cuidado a viabilidade financeira dos projetos para que tenha maior assertividade nos investimentos por partes dos apoiadores. Assim, é possível verificar um grande potencial em ações sustentáveis utilizando criptomoedas em prol da saúde do meio ambiente.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: AmazonasCoin; Greenpeace