Zarc contribui para a eficiência produtiva no campo

4 de fevereiro de 2020 4 mins. de leitura
O instrumento da política agrícola indica as melhores épocas de cultivo, considerando as características de clima e solo

O Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) é um instrumento de gestão de risco definido a partir de um estudo científico desenvolvido para orientar os agricultores sobre as janelas ideais de plantio e semeadura, de modo a minimizar os riscos dos impactos das alterações climáticas na produtividade e rentabilidade. Grandes discussões sobre o Zarc acontecem sempre que mudanças climáticas bruscas acometem plantações e atrasam o período de plantio, fazendo com que agricultores requeiram ao governo a prorrogação da janela descrita no programa.

Esses pedidos acontecem porque o respeito ao zoneamento é obrigatório para aqueles que pretendem entrar no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro), no Proagro Mais e no Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR). Até mesmo instituições financeiras privadas já estão exigindo o respeito ao Zarc para fornecimento de crédito rural.

No início de dezembro de 2019, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Banco Central firmaram um convênio para a ampliação do zoneamento em mais 20 culturas — hoje, são mais de 44 culturas mapeadas para cada cidade  brasileira. Além disso, o Zarc passará por modernizações entre 2020 e 2022 para minimizar riscos climáticos adversos.

(Fonte: Freepik)

Como é feito o zoneamento

O Zarc é definido com base em informações sobre clima, solo, culturas agrícolas e definição do manejo que deverá ser utilizado no desenvolvimento das lavouras. Ao processar esses dados, são geradas simulações e avaliações de risco para determinar qual é o período em que os agricultores devem iniciar seus cultivos, considerando chuvas, secas e geadas, a fim de minimizar os riscos e ampliar a produção.

O Zarc visa medir o risco climático em cada um dos municípios do Brasil nos quais existe possibilidade de produção, levando em conta as condições locais. Portanto, para cada município produtor e cada cultura agrícola, o Zarc faz uma articulação de informações de especialistas e oferece soluções específicas.

Relação entre Zarc, Proagro, Proagro Mais e PSR

O Zarc é um instrumento da política agrícola que auxilia o uso racional dos recursos do Proagro, do Proagro Mais e do PSR. Isso porque, para que os agricultores possam fazer parte desses programas, eles necessariamente devem observar as orientações de zoneamento.

O Proagro visa ao atendimento de pequenos e médios produtores rurais e é uma espécie de seguro financeiro para frustrações de safra. O recurso permite que o agricultor seja liberado do pagamento de uma parcela do custeio agrícola.

Em 2004, foi criado o seguro público destinado a atender pequenos produtores vinculados ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) nas operações de custeio agrícola, o Proagro Mais, que cobre as parcelas de custeio rural e investimento feitas a partir de financiamentos ou de recursos próprios.

Já o PSR foi desenvolvido pelo governo federal para disponibilizar auxílio na contratação de apólices de seguro rural, pagando diretamente para as seguradoras uma parte do prêmio cobrado dos produtores rurais.

(Fonte: Freepik)

Benefícios para quem segue o Zarc

Agricultores que seguem as datas especificadas no Zarc para plantação e cultivo têm o benefício de poderem aderir aos programas de garantias e subvenções do governo e correm menores riscos de prejuízos diante de alterações climáticas inesperadas. A primeira publicação do Zarc foi em 1996; desde então, o estudo vem sendo atualizado para abranger mais culturas e municípios do País.

Melhorias no Zarc

A Embrapa e o Banco Central firmaram um acordo recente que vai possibilitar a ampliação do Zarc em mais 20 culturas. O convênio visa também à aplicação de R$ 28,5 milhões em Proagro, Seguro Rural e do Garantia-Safra para baratear os benefícios dos produtores participantes. O acordo prevê digitalização completa dos sistemas de informação e comunicação, atualização das bases de dados meteorológicos do Zarc, atualização da metodologia de quantificação de risco e modelagem de culturas já zoneadas, manutenção e atualizações do aplicativo Zarc Plantio Certo e um novo sistema de classificação de solo com critérios de enquadramento de áreas.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: Sistemafaep; Embrapa; Pioneer Semente

Gostou? Compartilhe!