Como as sanções à Rússia afetam o agronegócio brasileiro?

3 de maio de 2022 3 mins. de leitura
Além de aumentos de preço em vários setores, sanções à Rússia pela guerra na Ucrânia podem impactar o agronegócio

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

Desde o início da guerra na Ucrânia, em fevereiro de 2022, dezenas de países ocidentais estão impondo uma série de sanções econômicas à Rússia e a Belarus (país aliado). O objetivo, em resumo, é pressionar os líderes desses países a recuar no conflito, fazendo que os prejuízos econômicos se tornem mais incômodos do que uma desistência no front.

Mesmo assim, qualquer sanção a uma economia enorme como a russa gera consequências para países que não estão envolvidos na guerra, como o Brasil. Além da bastante discutida questão dos fertilizantes (cujos preços estavam aumentando desde o ano passado no mercado internacional) e dos combustíveis, as reprimendas diplomáticas aos russos têm desdobramentos amplos no agronegócio brasileiro; os mais importantes estão ligados à exclusão dos bancos do país europeu da Sociedade de Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais (Swift).

Leia também:

Guerra na Ucrânia impacta agro e preços de alimentos no Brasil

Como o conflito do leste europeu afeta o agronegócio

Preço da carne: como ficam as importações russas de carnes brasileiras

Impossibilidade de pagamentos por importações

O sistema Swift permite que instituições de diferentes lugares se comuniquem e mantenham relações comerciais. Mais de 11 mil companhias de 200 países fazem parte da organização, e a exclusão da Rússia impede que os pagamentos por importações cheguem às empresas do país europeu.

A exclusão da Rússia do sistema bancário internacional impede que empresas brasileiras negociem com este país (Imagem: Shutterstock)
A exclusão da Rússia do sistema bancário internacional impede que empresas brasileiras negociem com o país. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

Na prática, ainda que um brasileiro conseguisse encomendar uma carga de fertilizantes russos, não poderia pagar por ela. Mesmo cargas que já estavam a caminho ou chegaram aos portos daqui podem ficar retidas por falta de pagamento — possivelmente incorrendo em juros. De acordo com uma coluna publicada em março pelo Estadão, os custos de transações com empresas russas podem aumentar 20% por conta da retirada da Rússia do sistema SWIFT.

Dificuldade no transporte de cargas

Embora seja a consequência mais importante, a exclusão russa do sistema bancário internacional não é a única que impacta diretamente o agronegócio brasileiro. Devido às sanções, diversas das mais importantes companhias de logística internacional anunciaram a total interrupção dos transportes de contêineres para a Rússia.

Dessa forma, nenhuma carga será recolhida ou entregue nos portos do país — sendo outro impedimento para que eventuais cargas de fertilizantes venham para o Brasil. Mais do que isso, os vários outros produtos que a Rússia fornecia ao mercado internacional, como grãos e petróleo, também vão ficar em falta, pressionando os preços.

Empresas de logística anunciaram sua retirada dos portos russos, por conta das sanções de seus países (Imagem: Shutterstock)
Empresas de logística anunciaram a retirada dos portos russos por conta das sanções. (Fonte: Shutterstock/Reprodução)

Do lado das exportações, o problema é menor: a Rússia é apenas o 35º destino para produtos brasileiros no mundo, então o que ela deixa de comprar pode ser redirecionado para outros locais sem grande dificuldade. De todo modo, os reflexos das sanções já podem ser notados no setor — e devem se tornar cada vez maiores, conforme o conflito continuar.

Quer saber mais? Conheça a opinião de nossos parceiros especialistas sobre os principais temas do agronegócio.

Fonte: Estadão Política, E-Investidor.

Este conteúdo foi útil para você?

180410cookie-checkComo as sanções à Rússia afetam o agronegócio brasileiro?

Canal Agro