China é o principal destino de exportação da agricultura paulista

País asiático é o principal parceiro comercial de São Paulo, sendo responsável por quase 20% das exportações do setor agrícola do estado

China é o principal destino de exportação da agricultura paulista
28/03/2020 • 2 min. de leitura

Segundo dados do Instituto de Economia Agrícola, a balança comercial brasileira movimenta mais de US$ 220 bilhões apenas em exportações, sendo o setor do agronegócio encarregado de 43,2% do total. Apenas a China, o maior parceiro comercial do País, contribui com US$ 62,87 bilhões. A agropecuária paulista tem bastante influência nesse montante, responsável por 21,6% das exportações nacionais, tendo o país asiático como principal parceiro comercial, destino de 19,3% da produção.

Basicamente, nosso país é a 22ª maior economia de exportação do mundo. Entre os grupos de produtos mais vendidos externamente, os principais são carne bovina, suco de laranja, soja, produtos florestais, como papel e celulose, e complexo sucroalcooleiro, com açúcar e álcool. O Estado de São Paulo é responsável por um terço do Produto Interno Bruto (PIB) e tem grande participação no montante de exportação de açúcar, suco de laranja, carne e soja.

Além da China, os principais parceiros do estado são a União Europeia (18,4%) e os Estados Unidos (13,3%).

(Fonte: Unsplash)

O comércio com a China

Desde 2009, a China é considerada a maior parceira comercial do Brasil, sendo o maior destino da exportação paulista, principalmente no setor agropecuário. Os dois principais produtos buscados pela China são carne e soja: 90% de toda a soja do país vêm dos mercados internacionais, principalmente do Brasil, uma vez que a demanda é grande e a agricultura por lá não é favorável para o seu plantio.

Já as carnes são voltadas para suprir a demanda que vem aumentando: apenas em janeiro, as exportações cresceram em 10%. Isso se deu como consequência dos surtos de peste suína que prejudicaram as criações locais.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: IEA, OEC