Conheça o evento

As consequências de conflitos globais na exportação de grãos

O setor agropecuário brasileiro vive estado de ameaça com a instabilidade das crises mundiais

As consequências de conflitos globais na exportação de grãos
26/03/2020 • 2 min. de leitura

Com os avanços da crise entre Estados Unidos e Irã, o Brasil viu seu status de soft power (quando um Estado consegue se manter neutro com relação a determinados conflitos) ameaçado. O governo brasileiro, ao tomar uma posição favorável a um dos lados (no caso, aos Estados Unidos) em janeiro, preocupou setores de exportação, sobretudo da agropecuária.

Eles temem retaliações no campo de negócios e relações comerciais, sobretudo de países do Oriente Médio, que compram anualmente uma expressiva quantidade dos produtos agropecuários brasileiros; estima-se que esse acordo comercial gere uma receita de US$ 9 bilhões por ano, segundo levantamento de pesquisadores do Insper.

Em 2019, o Irã importou um total de US$ 2,1 bilhões do Brasil em produtos agropecuários. De acordo com dados do Ministério da Economia, o país ficou entre os cinco maiores importadores de milho e soja brasileiros no ano passado. Caso severas sanções a essas relações comerciais sejam instauradas efetivamente, o Brasil poderá perder a rentabilidade desse importador.

(Fonte: Pixabay)

Embora o Irã tenha um histórico de manter boas relações diplomáticas mesmo com países em que tenha algum tipo de conflito, o embargo norte-americano já sancionado poderá ser visto como uma ameaça às exportações brasileiras. Por conta disso, alguns setores do agronegócio se manifestaram desfavoráveis ao apoio do Brasil aos Estados Unidos, justificando a posição pela preservação dos interesses do setor. Além disso, o agronegócio teme o aumento nos custos de produção por conta das possíveis altas do petróleo; vale lembrar que o Oriente Médio é rico no mineral, sendo um dos principais exportadores. Após os ataques, o barril chegou a custar cerca de US$ 70 (por volta de R$ 300), uma alta que não se via desde setembro de 2019.

Comércio de grãos em alerta

Essa não é a primeira vez que o Brasil é afetado por conflitos entre os dois países. Em 2012, quando houve sanções dos Estados Unidos proibindo transações de bancos norte-americanos no Irã, houve quedas nas exportações. Em certa medida, a preocupação se dá principalmente por conta de acordos e sanções diplomáticas que podem influenciar diretamente o comércio exterior.

(Fonte: Pixabay) 

O diretor-geral da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), Sérgio Mendes, demonstra preocupação com a exportação de milho caso a relação comercial entre Brasil e Irã fosse prejudicada. “Na medida que milho alterna com a soja, o Irã é um destino importante; não haveria o que fazer com esse milho. Vai complicar a nossa vida”, considera.

Vale ressaltar que as tensões entre Estados Unidos e Irã se intensificaram no começo do ano, quando um bombardeio aéreo autorizado pelo governo norte-americano matou Qasem Soleimani, um dos líderes militares iranianos mais importantes, e sobretudo quando após esse ataque o Irã prometeu vingança ao país inimigo.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: Reuters, MDIC, Anec, Ministério da Agricultura, Ministério da Economia