Embalagem de agrotóxico reduz mais de 70% das emissões de CO2

17 de novembro de 2020 3 mins. de leitura
Projeto premiado por sustentabilidade é o primeiro desenvolvido a partir de resina reciclada e pode evitar a emissão de 600 toneladas de CO2

Um dos grandes desafios mundiais é continuar movimentando a economia e, ao mesmo tempo, reduzir os efeitos das mudanças climáticas causadas pelo aquecimento global. Um projeto consegue superar esse desafio ao usar uma nova alternativa de resina reciclada em embalagens de defensivos agrícolas, evitando a emissão de 600 toneladas de gases de efeito estufa.

A iniciativa desenvolvida por Syngenta e Unipac recebeu o reconhecimento máximo do Prêmio ABRE 2020, promovido pela Associação Brasileira de Embalagens (Abre), na categoria Sustentabilidade. Alguns aspectos avaliados foram inovação, funcionalidade e qualidade dos projetos inscritos.

O prêmio, que é realizado há 20 anos, teve como tema principal a Nova Economia. A premiação serve também como termômetro para as transformações na cadeia de embalagens e bens de consumo. Em 2020, especialmente, o evento serviu para mostrar como o setor tem agido para adotar estratégias de superação da crise causada pelo coronavírus.

Material reciclável

Resina reciclada permite que processo de fabricação de embalagem deixe de emitir até 600 toneladas de CO2 por ano. (Fonte: Syngenta/Divulgação)
Resina reciclada permite que processo de fabricação de embalagem deixe de emitir até 600 toneladas de CO2 por ano. (Fonte: Syngenta/Divulgação)

A embalagem é feita a partir da reciclagem pós-consumo de Contentores Intermediários para Mercadorias a Granel (IBCs). O processo total é capaz de reciclar mais de 400 toneladas por ano de polietileno de alta densidade, tipo de plástico por meio do qual podem ser fabricados os IBCs. O projeto consegue reduzir em 88% o consumo de energia e diminuir em 71% a emissão de gases do efeito estufa quando comparado ao método de produção com polietileno virgem.

A embalagem desenvolvida a partir de material reciclado tem capacidade para 20 litros, pode ser empilhada e mantém os padrões de eficiência da opção feita com resina virgem, o que, além de atender aos requisitos do mercado, fomenta a sustentabilidade. O novo método enfrentou desafios como o desenvolvimento de um processo de triagem e descontaminação dos IBCs pós-consumo. Também foi necessário estabelecer protocolos rígidos de monitoramento da resina e da fabricação das novas embalagens de defensivos para atendimento às regulamentações internacionais de acondicionamento e transporte de produtos perigosos.

Agricultura sustentável

Embalagem com material reciclável faz parte do Plano de Agricultura Sustentável da Syngenta. (Fonte: Shutterstock)
Embalagem com material reciclável faz parte do Plano de Agricultura Sustentável da Syngenta. (Fonte: Shutterstock)

O projeto da nova embalagem com resina reciclada faz parte do Plano de Agricultura Sustentável desenvolvido pela Syngenta que pretende contribuir para a redução de impactos ambientais em direção a uma agricultura neutra em carbono, bem como para a promoção de segurança, saúde e estabelecimento de parcerias estratégicas. A empresa afirma que se comprometeu a investir US$ 2 bilhões em agricultura sustentável até 2025 e tem como meta a redução pela metade de sua pegada de carbono até 2030.

Participe do debate sobre tecnologias no agronegócio brasileiro. É online e gratuito. Inscreva-se agora!

Fonte: Prêmio Abre 2020, Syngenta.