Uva: quais foram os principais impactos da pandemia nesse mercado?

8 de outubro de 2020 4 mins. de leitura
As exportações de uva, assim como as de outras frutas, caíram no primeiro semestre de 2020, mas sem reverter tendência de alta dos últimos anos

Quer impulsionar seus negócios? Se inscreva no Summit Agronegócio, evento que reúne os maiores especialistas em agro do País.

***

A Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) publicou um artigo, analisando os impactos da pandemia de covid-19 sobre a produção e a exportação de uvas — o país foi atingido em cheio pela crise a partir de março de 2020, durante janela de exportações da fruta. 

De fato, as exportações apresentaram queda ao longo do primeiro semestre do ano: 5,8% no volume e 11,5% na receita cambial, que foi de US$ 22,1 milhões. Porém, colocando os dados em perspectiva, eles não parecem tão negativos — o primeiro semestre de 2020 só não foi melhor que o mesmo período de 2019, quando as exportações triplicaram e bateram todos os recordes graças à abertura de novos mercados e ao maior preparo dos produtores para acessá-los. 

Em vista disso, as perspectivas para o setor são melhores no segundo semestre — é nesse período que ocorre a safra principal de frutas frescas para exportação. Com a manutenção do mercado externo, conquistado em 2019, as receitas devem voltar a crescer nos próximos meses. 

Apesar da queda em 2020, exportações continuam muito maiores que nos anos anteriores (Fonte: CNA/Reprodução)
Apesar da queda em 2020, exportações continuam muito maiores que nos anos anteriores. (Fonte: CNA/Reprodução)

O que afetou as exportações de uvas brasileiras?

A uva não foi a única fruta fresca que apresentou queda no comércio exterior. Segundo a análise da CNA, a média do setor foi uma queda de 5% no volume e 13% na receita, de modo que a viticultura apenas seguiu essa tendência. 

Contribuiu para esse cenário a interrupção das rotas de transporte aéreo por conta da pandemia — esse é principal modal usado para a exportação de frutas frescas. No caso específico das uvas, a CNA argumenta que a receita de exportações também caiu por conta de uma queda na qualidade do produto, causada pelas condições meteorológicas desfavoráveis para a produção da fruta que atingiram as principais regiões exportadoras ao longo do primeiro semestre. 

O principal polo produtor de uvas para exportação do Brasil é o Vale do São Francisco, na divisa entre Bahia e Pernambuco. Juazeiro (BA) e Petrolina (PE) são os dois municípios que mais se destacam. No primeiro, houve um aumento de 21% no comércio exterior, chegando a 1,5 mil toneladas enviadas para fora do país. Enquanto isso, no segundo, houve uma queda de 18,6% — mas o município continuou liderando por uma ampla margem, com exportações de 6,5 mil toneladas de uvas. 

A maior parte dessas uvas foi enviada para quatro países: Reino Unido, Estados Unidos, Holanda e Espanha, responsáveis por comprar 93,3% das uvas brasileiras. Os EUA e o Reino Unido, em especial, ficam na liderança, somando quase 3,3 mil toneladas cada. Contudo, enquanto o primeiro aumentou seu comércio com o Brasil em 26,7%, o segundo apresentou queda de 9,9%. 

Uvas brasileiras saem de Juazeiro e Petrolina com destino à Europa e aos Estados Unidos (Fonte: Pexels)
Uvas brasileiras saem de Juazeiro e Petrolina com destino à Europa e aos Estados Unidos. (Fonte: Pexels)

Quedas na receita, de modo geral

A queda na qualidade das uvas e a menor receita são os indicadores mais preocupantes de acordo com as análises da CNA. Embora o dólar tenha valorizado 37,3% entre dezembro de 2019 e maio de 2020, aumentando as receitas de exportações em moeda nacional, o preço das uvas caiu muito, inclusive no mercado interno: 45,8% em Juazeiro e 53,6% em Petrolina. 

Desse modo, a receita dos produtores de uva teve uma redução de 35,9% em Juazeiro e de 28,1% em Petrolina. De acordo com a CNA, o cenário só não foi pior porque os custos de produção se mantiveram estáveis. Esse, aliás, é mais um fator que leva os analistas a acreditarem em um segundo semestre mais positivo — com a manutenção do dólar alto e a retomada do comércio, as receitas devem voltar a crescer. 

Quer saber mais sobre as tendências no mercado de uvas? Inscreva-se no Summit Agro, evento que reúne os maiores especialistas em agronegócio do País.

Fonte: Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Gostou? Compartilhe!