Nova presidente da Bayer comenta sobre os desafios do mercado atual

28 de setembro de 2020 4 mins. de leitura
Tejon conversa com Malu Nachreiner e ela confirmou sobre o foco nos pilares de sustentabilidade, inovação, diversidade, digitalização e educação

Por José Luiz Tejon Megido*

“Nova tecnologia intacta2xtend objetiva elevada produtividade na soja com excelente capacitação dos produtores e equipes.” Assim afirmou Malu Nachreiner, nova presidente da Bayer Agrícola Brasil, em entrevista aos jornalistas.

Malu Nachreiner, que iniciou suas atividades na empresa aos 17 anos, no Rio Grande do Sul, foi vendedora e passou por diversas áreas da companhia. Assume agora a liderança da divisão agrícola no Brasil, com a missão de realizar os planos de pilares que levem a organização ao futuro.

Em conversa com jornalistas, a nova líder da divisão agrícola da Bayer, a maior companhia de insumos no Brasil, confirmou os pilares de sustentabilidade, inovação, diversidade, digitalização e também educação.

Perguntei à Malu sobre as novas exigências dos consumidores finais e a consciência do consumo que irá impactar cada vez mais as decisões no campo. Com certeza, tecnologias que não forem “compradas” pelos consumidores terão muita dificuldade em serem “vendidas” para produtoras e produtores rurais. A nova presidente da Bayer agrícola concorda, e disse: “Chegar próximo do consumidor final dos alimentos passou a ser um fundamento de uma corporação líder das inovações em sementes e sistemas de controle da saúde de plantas no país”.

A Bayer, conforme Malu, já tem elos com a Abras, supermercados, Abia, da indústria de alimentação, além de programas com órgãos de pesquisa e educação como a Embrapa, e universidades.“Temos uma nova geração de produtores rurais chegando, e muito abertos à digitalização e, sem dúvida, atuar na educação e treinamento desses produtores será essencial.”

Nova CEO da Divisão Agrícola da Bayer quer mais diálogo em polêmicas  ambientais - Notícias Agrícolas
(Foto: divulgação)

Malu também falou do lançamento da nova geração de sementes de soja, a intacta2xtend, que oferece quatro eventos genéticos em uma semente: “Será acompanhada de alta capacitação para sua adoção no país, onde produtividade é o principal objetivo com segurança de utilização”. Representa um salto tecnológico e um salto na qualificação do seu uso.

Sobre o papel das mulheres, Malu Nachreiner diz: “Agora precisamos de mais ação efetiva, já passamos a fase dos movimentos”, e brincando acrescentei que daqui a pouco precisaremos de cotas para homens, as mulheres eu considero aceleradoras da inovação, como observamos no congresso nacional das Mulheres do Agro. O próximo será nos dias 26/27/28/29 de outubro, com transmissão virtual.

Malu, ainda acrescentou que juntos com diversas entidades e demais “players” do setor do agro: “Precisaremos e iremos falar muito mais com os consumidores finais”.

*José Luiz Tejon Megido é doutor em Educação, mestre em Arte, Cultura e Educação pela Universidade Mackenzie; professor de MBA na Audencia Business School, em Nantes, na França; coordenador do Agribusiness Center da FECAP; membro do Conselho da Secretaria de Justiça e Cidadania do Estado de São Paulo, e sócio-diretor da Biomarketing

Perguntei sobre a expressão “agrocidadania”, como o prof. Ray Goldberg de Harvard hoje trata o novo agronegócio doravante, um “health system”, e a novapresidente da Bayer, concordou totalmente.Sem dúvida, educação e comunicação um pilar vital para o sucesso de todos os demais pilares. Agronegócio virou uma agrossociedade, ou “agricitizenship”.Boa sorte para a nova presidente da Bayer agrícola Brasil.*José Luiz Tejon Megido é doutor em Educação, mestre em Arte, Cultura e Educaçãopela Universidade Mackenzie; professor de MBA na Audencia Business School, em Nantes, na França; coordenador do Agribusiness Center da FECAP; membro do Conselho da Secretaria de Justiça e Cidadania do Estado de São Paulo, e sócio-diretor da Biomarketing

Gostou? Compartilhe!