Embrapa cria mandioca com 51% a mais de amido e produtividade 45% maior

14 de abril de 2020 3 mins. de leitura
Novo modo de cultivar mandioca dobra os resultados nas colheitas

A Embrapa Cerrados, no Distrito Federal, apresentou no início de fevereiro uma nova variedade de mandioca, chamada BRS420, que produz 51% a mais de amido. A raiz é muito utilizada em diferentes ramos da indústria, manufatura e culinária.

(Fonte: Pixabay)

Benefícios

A nova variedade produziu 45% a mais de raízes e 51% a mais de amido ainda no primeiro ciclo. Os resultados se mantiveram bem próximos no segundo, com cerca de 46,6% de amido, por exemplo.

A planta também apresentou uma maior resistência às principais doenças da cultura, como o superalongamento e podridão radicular ou aquelas provocadas por bactérias e moscas brancas. Consequentemente, as perdas de produção diminuíram consideravelmente, fato observado por meio da comparação entre a nova cultivar e as taxas de perdas por doenças e pragas em 2019. Além disso, a BRS420 cresceu rápido, o que diminuiu a necessidade de capina e contribuiu para o controle de ervas daninhas.

Produtividade

A Embrapa também desenvolveu uma variedade de plantio da mandioca que ofereceu maior produtividade tanto a curto quanto a longo prazo. Basicamente, com essa cultivar — complementar à raiz BRS420 — os produtores puderam optar por fazer a colheita no primeiro ciclo (de 10 a 12 meses após o plantio ou até 24 meses depois). Isso permite o aproveitamento de melhores preços e evita possíveis prejuízos quando o mercado da mandioca não estiver favorável.

Segundo os especialistas, as colheitas vêm ultrapassando a marca de 50 a 60 toneladas por hectare nos experimentos. Em pequenas áreas, os produtores afirmaram ver um crescimento de pelo menos 50%.

Plantio e colheita

As novas espécies foram desenvolvidas voltadas ao Centro-Sul principalmente, onde em torno de 80% da produção do país se concentra. Elas são ideais para o chamado Sistema de Plantio Direto.

Em relação à colheita, independentemente de seu ciclo, mostrou-se bastante favorável ao uso de tecnologias, por meio de um protótipo de máquina colhedora. Em outras palavras, a cultivar apresentou forte potencial de adaptação à máquina e também bom rendimento de colheita.

Mesmo sem o uso desses equipamentos, os quais ainda não são a realidade da maioria dos produtores, a colheita se mostrou bastante simplificada, uma vez que a disposição horizontal das raízes facilitou o arranque.

Em relação aos outros estados, como São Paulo, por exemplo, os estudos vêm demonstrando um bom resultado, porém ainda não são recomendados pelos pesquisadores, uma vez que estão em fase inicial.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Embrapa.

Gostou? Compartilhe!