Blockchain na agricultura: como utilizar?

3 de dezembro de 2019 5 mins. de leitura
Entenda a tecnologia que promete revolucionar a agricultura moderna

Durante o século XXI, diversos setores da sociedade se aprimoraram com o uso de novas tecnologias. As áreas de saúde, economia, logística e tantas outras se atualizaram no mercado e absorveram estratégias da modernidade para se atualizar.

Em meio a novas soluções, o agronegócio também pode ser beneficiado por essa parceria com o mundo tecnológico. Na luta contra fraudes online e criminosos digitais, o blockchain é um sistema criptográfico que promete mudar os métodos de produção na agronomia.

Além de ter uma implementação barata, é uma forma de dividir as informações de um negócio em diversos “blocos”. O blockchain nada mais é que um enorme banco de dados digital descentralizado, o que permite que cada uma de suas informações seja checada por um agente verificador, conferindo maior segurança a transações financeiras. Esse é um modelo que também permite que os fazendeiros acompanhem todos os processos do negócio, da produção do alimento até sua comercialização.

Impacto econômico no agronegócio

(Fonte: Wikimedia/Herr stahlhoefer)‌‌

Ter uma logística adequada no cotidiano empresarial é capaz de reduzir os custos mensais. Na agronomia, quando consideramos que os objetos de referência são diversos produtos perecíveis, a margem de erro se torna menor ainda. Então como o blockchain pode auxiliar o produtor de alimento? A resposta é simples.

Com os consumidores modernos buscando cada vez mais comidas orgânicas, garantir a segurança das colheitas se torna fator primordial para que nada chegue fora de validade às mesas. Se um agricultor consegue garantir ao público a qualidade da produção, automaticamente seus serviços se tornam mais atrativos aos clientes. Com o blockchain, é possível compartilhar informações sobre a colheita com agências de verificação, que podem certificar o andamento da produção.

Essa tecnologia também é capaz de eliminar os múltiplos intermediários na entrega dos alimentos. Através de contratos mais inteligentes, o produtor tem a garantia do fim de atrasos desnecessários, fazendo com que sua mercadoria chegue no momento correto. Essa é uma simples mudança na logística do agronegócio, mas evita muito estresse e poupa dinheiro.

O blockchain pertence a um dos múltiplos sistemas de distribuição (DLT) que ajudam a separar, compartilhar e sincronizar informações entre membros de um network específico. A implementação desse tipo de tecnologia no campo dá aos fazendeiros maior controle sobre seu próprio trabalho, podendo monitorar tanto as colheitas quanto o armazenamento do alimento e das informações em um lugar seguro e imutável.

Uma tecnologia em evolução

Blockchain é uma ferramenta ainda recente no mercado. Por isso, ainda passa por diversas fases de experimentação que a auxiliam a se moldar ao mundo dos negócios. No momento, existem três grandes modelos de blockchain adotados no comércio digital.

Consórcio

Esse é um modelo formado por um grupo de entidades que podem adicionar e verificar informações ao blockchain através de um mecanismo de consenso utilizado pelos usuários de maneira pré-selecionada.

Privado

Com o controle de uma organização centralizada, apenas pessoas com determinada autenticação e permissão podem fazer parte desse grupo. Sendo assim, todos os membros da rede se conhecem e confiam um nos outros. Apesar de as informações serem inseridas por um único grupo, os dados ficam disponíveis para o público de forma transparente.

Público

O sistema público ou sem necessidade de permissões é completamente descentralizado e aberto ao público. Qualquer um pode entrar ou sair, assim como pode adicionar e verificar informações para a cadeia. Esse é um modelo de blockchain que facilita a coletividade dos participantes, que em sua maioria não se conhecem. Portanto, é essencial a implementação de mecanismos de consenso entre os membros, para que a informação implementada não seja prejudicada no processo.

O início de uma nova era

(Fonte: Wikimedia/José Reynaldo da Fonseca)

O comércio digital começa a passar por uma fase de transformação que está muito relacionada com a implementação de tecnologias como o blockchain. Com sua promessa de transparência, automatização de setores, informações confiáveis e verificáveis e tantos outros benefícios, esse modelo indica um novo início para a economia e para o agronegócio.

Segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), pequenos agricultores devem corresponder a até 60% dos produtores de alimentos essenciais para suprir as necessidades de uma população estimada em 9 bilhões de pessoas em 2050. Em meio a inúmeros desafios, a chave para o sucesso deve passar por sistemas de cooperativismo — e nesse ponto o blockchain pode ser a resposta esperada.

Curtiu o assunto? Reunimos especialistas e autoridades de diferentes áreas do setor de agronegócios. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: FAO, Startagro, Kryptographe.

Gostou? Compartilhe!