5 novas tecnologias fundamentais para o meio rural

18 de julho de 2019 3 mins. de leitura
A segurança alimentar é um desafio da agricultura para as próximas décadas, e o uso da tecnologia no campo pode favorecer a produtividade

O atual cenário de contínuo crescimento da população indica que a demanda por alimentos enfrentará desafios globais nas próximas décadas. Assim, a agricultura tem buscado utilizar a tecnologia como chave para o trabalho agrícola, permitindo o aumento da produtividade e da eficiência das áreas rurais, evitando perdas e reduzindo custos.

Atualmente, a chamada agricultura de precisão visa ao manejo agropecuário com um conjunto de ferramentas baseadas em tecnologia da informação. Esse recurso permite o monitoramento das condições do solo e das culturas, o entendimento de dados meteorológicos, entre outras ações que favorecem eficiência, rentabilidade e sustentabilidade. As ferramentas para o gerenciamento agrícola incluem itens como robótica, drones e veículos autônomos.

A seguir, confira algumas tecnologias que vêm sendo utilizadas no meio rural.

1. GPS agrícola

A aplicação de satélites permite mapeamento de campo e planejamento agrícola, amostragem de solo, orientação de tratores e reconhecimento de safra. O GPS favorece o trabalho em condições pouco favoráveis, como chuva, neblina e à noite. O uso dessa tecnologia ampliou a capacidade de desenvolver estratégias de tratamento de solo e de uma aplicação mais precisa de fertilizantes, pesticidas e herbicidas, além do controle da dispersão desses produtos.

2. Sensoriamento remoto

O sensoriamento remoto tem sido usado na agricultura desde o fim da década de 1960 e é hoje uma ferramenta melhorada e de valor inestimável para o monitoramento de terra, água e outros recursos. Os sensores avaliam desde os fatores que podem estar estressando uma cultura até a estimativa da umidade e temperatura no solo, o nível de compactação, a fertilidade, além de dados com relação à localização de pragas.

Tecnologia no meio rural (Fonte: Visual Hunt/Reprodução)

3. Robótica

As máquinas autônomas, controladas remotamente por telemetria, têm assumido muitas tarefas na agricultura atual, sendo os principais impulsionadores da revolução agrícola. Os chamados agribots tornam as tarefas mais eficientes e melhoram a precisão de ações como irrigação, poda e aplicação de pesticidas. Tratores e pulverizadores automatizados podem aplicar pesticidas e nutrientes de forma mais direcionada e acertada; o carrinho de grãos autônomo da Kinze, por exemplo, pode ser conectado a qualquer trator e seguir uma colheitadeira pelo campo.

4. Irrigação automatizada

A irrigação por telemetria permite monitoramento e controle remoto de todas as variáveis que envolvem as operações de irrigação, sendo fundamental em momentos de escassez de água e esgotamento de aquíferos. Os sensores medem vazão e umidade do solo, nível de água da chuva e temperatura. Ao monitorar esses dados, o sistema economiza tempo, água e combustível, evitando o excesso de irrigação e reduzindo custos.

5. Aplicação em taxa variável

A aplicação em taxa variável se refere a uma tecnologia que permite o uso de insumos de acordo com a necessidade específica, de forma que os produtores controlem a quantidade das aplicações em locais distintos da área rural, considerando a diferença de fatores, como teor de nutrientes ou presença de pragas. Esse tipo de sistema inclui um computador, um software, um controlador e um GPS.

Curtiu o assunto? Reunimos especialistas e autoridades de diferentes áreas do setor de agronegócios. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: Tecnologia no Campo, Robotics Business e The Robot Report.

Gostou? Compartilhe!