Mulheres no campo: o impacto do aumento de lideranças femininas

13 de março de 2020 4 mins. de leitura
ONU diz que de 1,3 bilhão de pequenos agricultores do mundo 43% são mulheres, no Brasil a maioria está em papel de liderança

É crescente o número de mulheres no campo. Cada vez mais o sexo feminino marca presença no agronegócio, seja como pecuaristas, pesquisadoras, agricultoras, executivas de empresas ou empreendedoras. Segundo dados da Comissão sobre a Situação da Mulher (CSW) — instituição pertencente à Organização das Nações Unidas (ONU) — do 1,3 bilhão de pequenos agricultores do mundo todo, 43% são mulheres.

O aumento da presença delas no ambiente rural também foi detectado pelo IBGE. De acordo com esse instituto, elas estão assumindo cada vez mais a posição de liderança. Entre 2006 e 2017, o número de mulheres na direção de estabelecimentos agropecuários passou de 12,7% para 18,7%, totalizando 946 mil mulheres no campo em posições chaves. Além disso, cerca de 817 mil lideraram empreendimentos em parceria com o cônjuge.

Por que há mais mulheres nas áreas rurais?

(Fonte: Shutterstock)

De acordo com um relatório do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), um dos fatores do crescimento de mulheres à frente nas regiões rurais é o aumento de pessoas qualificadas. “O aumento da formalização dos postos de trabalho ocorreu na economia como um todo e para os dois sexos nesse período”, afirma Nicole Rennó Castro, pesquisadora do Cepea.

Em virtude disso, elas começaram a ocupar mais cargos de liderança em todas as áreas, incluindo a rural. “Para o agronegócio, foram criadas vagas bastante qualificadas, que foram ocupadas por mulheres de maneira mais acentuada”, destaca Nicole. Além desse, outros fatores também podem ser identificados como motivo desse aumento.

Segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a evolução tecnológica é outro fator que explica esse processo. “O agronegócio de hoje não é mais o da força física”, afirmou José Luiz Tejon, professor e coordenador responsável pelo conteúdo do congresso. “A tecnologia transformou semeadeiras e colheitadeiras em máquinas de altíssima tecnologia e, com essa disrupção, não é preciso músculos — e sim estudo  para tirar delas o melhor resultado”, disse Tejon.

O papel das mulheres no campo

(Fonte: Shutterstock)

Mais do que mudanças estatísticas, a presença feminina já vem sentindo efeitos práticos no setor agropecuário. Teka Vendramini é a primeira mulher a ocupar uma diretoria na Sociedade Rural Brasileira (SRB) em 100 anos de existência da entidade.

No fim do ano passado, ela foi a responsável por intermediar um embate na Assembleia Legislativa de São Paulo, no qual os ruralistas queriam derrubar o veto à exportação de bois vivos. Foi Vendramini quem articulou uma posição entre as diferentes entidades. “Todo mundo sabe da existência e da atuação do outro, mas não há uma coesão na hora de agir”, ela afirmou.

Portanto, por conta dessa atuação da diretora, o conflito foi resolvido. “Como eu era a única mulher entre mais de 50 confinadores, exportadores e produtores, pude articular melhor para a gente se unir e conversar”, explicou Teka.

É óbvio que não é só na solução de conflitos que as mulheres atuam. Conforme um estudo da Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG), elas são mais propensas a adotar as tecnologias no campo. A pesquisa mostra que 20,1% estão interessadas em aprender mais sobre o mercado tecnológico. A consequência disso é uma evolução mais rápida nos processos do campo, já que diversas técnicas novas estão sendo criadas e desenvolvidas a cada dia.

Vários outros aspectos positivos poderiam ser listados com o aumento da liderança das mulheres no campo e seus impactos. Dentre eles, destacam-se os benefícios que essa transformação tem trazido e continuará trazendo ao agronegócio.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: CNA; Agricultura e Agência Brasil.

Gostou? Compartilhe!