A importância do Manejo Integrado de Pragas para a agricultura

7 de novembro de 2019 3 mins. de leitura
Técnica tem como objetivo a redução máxima de pesticidas e agrotóxicos

Os agrotóxicos surgiram como uma arma química na Segunda Guerra Mundial. Com o pós-Guerra, seu uso passou a ser direcionado à fabricação de pesticidas para o controle de pragas em plantações. Entretanto, devido ao risco que eles acarretam para a saúde e à necessidade de alternativas menos prejudiciais, foram criadas técnicas como o Manejo Integrado de Pragas (MIP).

O MIP começa com um estudo detalhado que envolve controle cultural, biológico, comportamental, genético, varietal e químico da plantação em que será aplicado. A partir disso, é possível acompanhar o solo, monitorar e fazer uma análise completa das pragas existentes. A ideia é utilizar diferentes técnicas para manter a população de pragas abaixo dos níveis de danos econômicos.

Manejo Integrado de Pragas (Fonte: Youtube IBA/Reprodução)
​(Fonte: YouTube/IBA/Reprodução)

Benefícios do Manejo Integrado de Pragas

O uso constante de inseticidas pode ser prejudicial tanto para o plantio quanto para a saúde do trabalhador rural. Caso seja constatado que o nível de pragas é danoso, de acordo com os estudos, o MIP age de forma direcionada, realizando o melhor modus operandi para que a praga não se torne resistente aos agrotóxicos.

O controle biológico é um dos métodos disponíveis no MIP e consiste no uso da própria cadeia alimentar, com aplicação de bactérias, fungos, vírus, aves e insetos que utilizam as pragas como fonte de alimento. Uma tarefa importante para o trabalhador rural é saber identificar quais organismos são pragas e quais são inimigos das pragas e, por consequência, seus aliados.

Manejo Integrado de Pragas (Fonte: Boas Práticas Agronômicas/Reprodução)
​(Fonte: CIB/Reprodução)

Atualmente, com o advento da tecnologia, existem softwares agrícolas que ajudam no monitoramento do MIP e tornam possíveis os acessos de qualquer parte do mundo. Tudo isso tem como foco um melhor e maior controle da propriedade, facilitando a gestão e as tomadas de decisão nas plantações.

Atualmente, o MIP configura uma importância enorme para a agricultura. Com seu objetivo primário no uso em conjunto com várias ferramentas de modo organizado, planejado e em harmonia, gera maior qualidade aos materiais que estão sendo desenvolvidos, assim como melhores opções para os trabalhadores, que não se restringem apenas ao uso de produtos químicos, e para os produtores, que têm maior redução de danos na plantação.

Curtiu o assunto? Reunimos especialistas e autoridades de diferentes áreas do setor de agronegócios. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Embrapa, Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico, Agricultura Moderna.

Gostou? Compartilhe!