Erva-de-santa-maria: para que serve e como utilizar?

21 de fevereiro de 2023 3 mins. de leitura
Conheça os cuidados necessários na hora de utilizar o mastruz

Inscreva-se gratuitamente e participe do maior evento de agronegócio do Brasil, que acontecerá no dia 26 de outubro.

A erva-de-santa-maria é comum no Brasil, podendo ser encontrada em diversas feiras e lojas de produtos naturais. O uso fornece uma série de benefícios para a saúde, mas é preciso ter cuidado e experiência na hora de preparar os medicamentos naturais derivados dela, já que, em excesso, a planta pode ter efeitos nocivos.

A seguir, saiba um pouco mais da erva-de-santa-maria.

Erva-de-santa-maria

A erva-de-santa-maria é nativa da América do Sul e da América Central e apresenta uma série de propriedades curativas, sendo utilizada também na alimentação. A planta herbácea se apresenta em forma de pequenos arbustos que nascem nos mais diversos terrenos.

É uma planta perene que pode atingir até 1 metro de altura, tendo folhas simples e de coloração verde-escura ou verde-clara, com flores pequenas e também esverdeadas. Os frutos são pequenos, esféricos e pretos, e o cheiro da planta é bastante forte e característico.

O nome científico é Chenopodium ambrosioides L., mas é popularmente conhecida como epazote, mastruço, mentruz, mastruz, lombrigueira, chá-do-méxico ou ambrósia-do-méxico. No sul do Brasil, o nome “mastruço” se refere a outra planta, a Coronopus didymus L.

Duas canecas de vidro, transparente, com infusão de folhas e líquido amarelado dentro
Infusão, chá, cataplasma, óleo essencial: há vários usos para o mastruz. (Fonte: Pixabay/Reprodução)

Leia também:

Usos do mastruz para a saúde

Uma das ações mais estudadas da planta é como vermífugo, tendo ação antiparasitária comprovada graças ao ascaridol, substância ativa presente na erva. Além disso, o epazote tem comprovadas propriedades antissépticas, podendo, portanto, ser utilizado no combate à proliferação de vírus e bactérias. Ainda em relação a doenças, a erva-de-santa-maria tem ação antiulcerosa, antimalárica, hipotensora e relaxante muscular.

Popularmente, o mastruz é triturado e utilizado como anti-inflamatório e cicatrizante em casos de fraturas e pancadas. O chá ou a infusão das folhas ajudam a aliviar sintomas e combater doenças como reumatismo, sinusite, rinite, gripe e resfriado, catarro e tosse crônica, inflamação da garganta, dor ciática e até asma.

O epazote também auxilia no tratamento de gastrite e alivia dores estomacais. Além de todas essas funções, a erva-de-santa-maria é usada para aliviar o incômodo causado por picadas de insetos porque impede a proliferação de bactérias e, como é rica em antioxidantes, ajuda na cicatrização; para isso, ela é aplicada como cataplasma.

Outros usos e cuidados

A planta é comumente utilizada para temperar feijão, carnes e outros recheios na culinária mexicana. Outra aplicação comum do mastruz é na forma de óleo essencial, porém, como é bastante forte, deve ser usado com acompanhamento profissional. Em excesso, pode ser tóxico para os seres humanos, gerando efeitos como náusea, vômito, lesões hepáticas e renais, surdez, transtornos visuais e auditivos, e insuficiência cardiorrespiratória.

Além disso, em demasia, o óleo essencial pode ter propriedades abortivas. Assim, o uso da planta é contraindicado para crianças de até 3 anos, gestantes, lactantes, pessoas com doenças hepáticas, renais e auditivas.

Este conteúdo foi útil para você?

220609cookie-checkErva-de-santa-maria: para que serve e como utilizar?