Como fazer o manejo da plantação de couve?

10 de setembro de 2021 4 mins. de leitura
Hortaliça fácil de plantar e de baixo custo, couve é uma opção para complementar a renda mensal de agricultores iniciantes

Conheça o mais relevante evento sobre agronegócio do País

A couve é uma das hortaliças mais consumidas pelos brasileiros. A sua demanda tem aumentado por conta de novas receitas culinárias e das descobertas científicas que apontam as suas propriedades nutricionais e medicinais.

O vegetal pertence à mesma espécie que o repolho, a couve-flor e o brócolis. Contudo, em comparação a outras hortaliças, a couve tem uma riqueza mais equilibrada de proteínas, carboidratos, fibras, cálcio, ferro, iodo, niacina, bem como vitaminas A e C. Por isso, é o principal ingrediente dos “sucos detox”.

A hortaliça tem folhas grandes e livres, com tamanho entre 60 centímetros a 1 metro. O consumidor está acostumado a comprar a versão lisa, larga e verde. No entanto, existem versões crespas, estreitas, verde-escuras, verde-claras, roxas, rosadas e brancas.

Como plantar couve?

Folhas a partir de 20 centímetros já podem ser colhidas e comercializadas. (Fonte: Shutterstock/Somchai_Stock/Reprodução)
Folhas a partir de 20 centímetros já podem ser colhidas e comercializadas. (Fonte: Shutterstock/Somchai_Stock/Reprodução)

Fácil de cultivar, a couve está bastante presente na agricultura familiar brasileira. Seu plantio pode ser realizado por iniciantes, inclusive em espaços urbanos, como vasos em apartamentos.

A cultura se desenvolve melhor no outono-inverno, é bem adaptada ao frio intenso e resistente à geada. No verão, se desenvolve bem em áreas serranas, com altitudes acima de 800 metros.

Implantação da cultura

O cultivo pode ser realizado a partir de sementes ou mudas. Os agricultores brasileiros preferem a propagação vegetativa, com a formação de mudas a partir de brotos que surgem nas axilas das folhas. No caso das espécies híbridas, os brotos não são produzidos, e a propagação é feita via sementes.

Quebra-ventos

Para impedir ou minimizar a passagem de ventos, o agricultor deve implantar faixas de proteção com bananeiras, pupunheiras e outros palmitos. Essa técnica permite eliminar os custos com tutoramento e ainda oferece uma renda extra ao produtor.

Leia também:

Conheça as novas normas para a produção integrada de folhosas

Agricultores se conectam a consumidor por meio de foodtech e ampliam vendas

Quais são as perspectivas para o mercado de hortifrúti em 2021?

Irrigação

A irrigação por aspersão pode auxiliar na redução do número de pulgões e lagartas. (Fonte: Shutterstock/Deyan Georgiev/Reprodução)

A falta de água provoca o murchamento das plantas e, em conjunto com a insolação, pode queimar folhas e brotos, levando a planta à morte. Já o excesso de água favorece o aparecimento de doenças e apodrece as raízes.

A irrigação deve ser planejada de acordo com o período do cultivo, ciclo da cultura, tipo de solo, declividade do terreno, incidência de ventos, capacidade de drenagem e insolação diária. Ela pode ser realizada por sulcos, aspersão tradicional, gotejamento ou microaspersão.

Nutrição

Os agricultores devem realizar uma análise química anual do solo de 0 a 20 cm de profundidade. Se necessários, o calcário deve ser aplicado de 30 a 90 dias antes do plantio para alcançar uma saturação de 80% da substância no solo.

A adubação pode ser realizada de maneira orgânica, com esterco de bovino ou galinha; mineral de plantio ou por cobertura com a aplicação de NPK. Para acompanhar a evolução nutricional, deve ser realizado o monitoramento a partir da folha.

Controle de pragas, doenças e plantas daninhas

As principais pragas da couve são o pulgão e a lagarta curuquerê, que podem ser controladas por catação em seu início ou por inseticidas sintéticos ou naturais no caso de grandes incidências. O controle de plantas daninhas deve ser realizado com capina superficial e auxiliado com cobertura morta.

O solo compactado, com pouca aeração e excesso de umidade, leva a ocorrência de doenças bacterianas como a podridão-negra e a podridão-mole. Ambas podem ser tratadas com fungicidas.

Colheita

A colheita começa a ser realizada entre dois e três meses após o transplante das mudas. O produtor deve retirar os brotos que surgem nas axilas das folhas. A cada 7 a 10 dias, as folhas de 20 cm a 30 cm de comprimento devem ser retiradas puxando seus talos para baixo. 

Fonte: Instituto Agronômico.

Este conteúdo foi útil para você?

155170cookie-checkComo fazer o manejo da plantação de couve?

Canal Agro