Conheça o evento

Como eliminar a brucelose bovina do rebanho

A zoonose afeta bovinos em idade reprodutiva e causa muitos prejuízos para os pecuaristas quando não detectada a tempo

Como eliminar a brucelose bovina do rebanho
08/03/2020 • 3 min. de leitura

A brucelose é uma doença infectocontagiosa que, além de atingir animais, pode ser transmitida aos seres humanos. A patologia tem alcance mundial e, em bovinos, interfere diretamente na eficiência reprodutiva do rebanho, tenho o abortamento como principal característica.

Estudos demonstram que a brucelose bovina causa prejuízos aos pecuaristas, com queda anual de 20% a 25% na produção de leite, 15% na produção de carne e 15% no nascimento de bezerros, isso sem mencionar as perdas genéticas e a desvalorização do rebanho.

Como a doença não tem cura, os animais infectados devem ser isolados e abatidos, por isso é importante que os criadores se atentem aos fatores de risco e ao programa de vacinação.

O agente causador da brucelose bovina

A brucelose bovina é causada por uma bactéria conhecida como Brucella abortus, que acomete principalmente as fêmeas em idade reprodutiva. A morte do bezerro é causada uma vez que os microrganismos invadem o útero da vaca e colonizam esse ambiente, causando uma grave placentite necrótica, uma infecção dos placentomas que gera a diminuição da passagem de nutrientes e oxigênio da fêmea para o bezerro, causando a morte dele e a sua consequente expulsão.

Esse fator geralmente é seguido de metrite, uma infecção uterina gerada pela retenção da placenta após o parto ou abortamento e que leva ao aumento do intervalo entre partos, ocasionando uma piora considerável nos índices reprodutivos das fazendas.

(Fonte: Freepik)

Todos os bovinos podem ser infectados pela brucelose bovina?

A suscetibilidade à doença varia de acordo com o sexo, a idade e o estágio reprodutivo do animal. Os bovinos sexualmente maduros e as prenhas são mais propensos do que os animais sexualmente imaturos. Filhos de vacas infectadas serão positivos até o 4º mês de vida por conta dos anticorpos colostrais passados pelo leite; após essa idade, 9% podem continuar positivos.

Principais meios de transmissão da doença e sinais clínicos

A brucelose tem como principal via de contaminação a boca do animal, através da água, de alimentos, de objetos e principalmente de pastos contaminados com restos fetais procedentes de fêmeas doentes, que eliminam uma grande quantidade de bactérias. A transmissão da doença também ocorre pela inseminação artificial, quando o sêmen de um touro doente contém a bactéria.

Vacas infectadas podem continuar a eliminar bactérias da brucelose por até 30 dias após o parto, o que pode gerar a contaminação de todo o rebanho. E isso torna de extrema importância a identificação e o isolamento da fêmea doente, assim como a retirada dos restos de partos e abortamentos do pasto, para ajudar na prevenção.

Os sinais clínicos iniciais da brucelose são imperceptíveis. Em um primeiro momento, as bactérias se espalham pelo sangue; ao atingirem o sistema linfático, causam a infecção de tecidos, órgãos reprodutivos, glândulas mamárias e articulações. O primeiro e principal sintoma visível da infecção é realmente o abortamento, que ocorre na maioria das vezes durante a primeira gravidez após a infecção. Já nos machos, o primeiro sinal é o desenvolvimento de infecções testiculares que reduzem a fertilidade e infecções articulares principalmente nos joelhos.

Animais com a doença permanecem infectados por toda a vida; por esse motivo, quando identificados clinicamente, devem ser isolados e sacrificados.

(Fonte: Freepik)

Fatores de risco e eliminação da doença

Alguns fatores que podem aumentar a probabilidade da doença na fazenda é a compra de gado de procedência duvidosa, a não imunização das fêmeas em idade reprodutiva com vacinas obrigatórias e a não realização da vigilância epidemiológica na fazenda, com a retirada de todos os restos de partos e abortos do pasto.

A legislação brasileira proíbe o tratamento dos animais positivos, então, para prevenir a doença, os pecuaristas devem se atentar aos fatores de risco e cumprir rigorosamente o programa obrigatório de vacinação.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Beefpoit; Embrapa; Revista Científica eletrônica de medicina veterinária