Como as minhocas podem indicar a qualidade do solo

Pesquisadores afirmam que esses organismos são importantes para detectar a presença de agrotóxicos nos terrenos

Como as minhocas podem indicar a qualidade do solo
11/02/2020 • 2 min. de leitura

Não é de hoje que se sabe que as minhocas são muito importantes para o cultivo agrícola. Com a sua capacidade de fragmentar a matéria orgânica e agilizar a decomposição dos microrganismos, elas são excelentes biofertilizantes. Além de enriquecerem a terra, esses animais são bioindicadores da qualidade do solo.

Uma pesquisa publicada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) mostrou que oligoquetas, como minhocas e os enquitreídeos, podem atestar a qualidade da terra e avaliar os efeitos de agrotóxicos, metais pesados e insumos agropecuários.

Qualidade do solo

As minhocas contribuem para o funcionamento correto dos ecossistemas em que estão presentes. Como participam de processos como agregação e porosidade da terra, são consideradas "engenheiros do ecossistema". Portanto, quando a terra sofre alguma modificação, como práticas agrícolas, pecuárias ou florestais, esses animais são afetados e, por consequência, a sua função também.

Um exemplo comum é o uso crescente de produtos nocivos no solo como resultado da demanda da indústria de alimentos, o que pode chegar até a eliminá-los do local. Então, o sumiço das minhocas de determinada propriedade deve ser um fator de alerta sobre a qualidade do terreno.

Diferenças para o clima tropical

Tema abordado pela publicação da Embrapa, a ecotoxicologia é o estudo dos efeitos das substâncias tóxicas no ambiente — e os pesquisadores ressaltam que não é simples fazer essa observação em todas as localidades. As minhocas vermelhas da Califórnia são consideradas algumas das melhores do mundo para indicar a qualidade da terra, mas, por serem originalmente de clima temperado, não alcançam o mesmo "efeito" em outros lugares.

(Fonte: Shutterstock)

A publicação levanta a possibilidade da utilização de espécies dos trópicos e que vivem dentro da terra como indicadores de ecotoxicidade terrestre. A pesquisa também sugere espécies de enquitreídeos para essa finalidade.

A importância do estudo para a sustentabilidade

O estudo da Embrapa teve a cooperação de 25 autores e contou com os pesquisadores Cintia Niva (Embrapa Cerrados) e George Gardner Brown (Embrapa Florestas) como editores técnicos.

Esse tipo de material se faz importante porque, de acordo com Brown, "pode indicar, por exemplo, a dose ambientalmente segura de agentes químicos ou biológicos utilizados no solo para controle de pragas e doenças; no monitoramento da qualidade do solo, da água e do ar". Os estudos são uma possibilidade de definir formas de utilizar os recursos naturais com sustentabilidade.

Analisar as possibilidades que a própria natureza oferece é um caminho para encontrar soluções que não sejam nocivas para os ecossistemas do planeta.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: Embrapa