Conheça o evento

Alta do algodão afasta importadores e prejudica o mercado

Com produção quatro vezes maior do que a demanda doméstica, Brasil precisa driblar dificuldades de exportação para evitar prejuízos

Alta do algodão afasta importadores e prejudica o mercado
27/03/2020 • 3 min. de leitura

O preço do algodão em pluma se manteve em alta em fevereiro. Com aumento de 4,13% em comparação com janeiro, foi o sexto mês consecutivo em que o valor do algodão cresceu no mercado. O último indicador do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Universidade de São Paulo (USP), fechou o preço do produto em R$ 2,92 com pagamento em oito dias. Os dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) apontam o Brasil como o quinto maior produtor mundial de algodão e o segundo maior exportador da pluma.

O País atingiu números recordes de exportação entre julho de 2018 e junho de 2019. Com 1,04 milhão de toneladas exportadas, a quantia ultrapassou a marca anterior, de 1,03 tonelada vendida entre julho de 2011 e junho de 2012. Um dos fatores que levaram ao sucesso em foi a parceria comercial com a China, que, de acordo com os dados da Associação Nacional de Empresas de Algodão (Anea), teve participação de 35% nas exportações e liderou o ranking de destinos do algodão brasileiro.

(Fonte: Pixabay)

Na época, o governo brasileiro foi beneficiado pela guerra comercial travada entre Estados Unidos e China, o que fez com que o país asiático se tornasse um importante comprador de commodities brasileiras. Porém, no fim de 2019, os dois países declararam trégua e cancelaram as principais tarifas aplicadas nos produtos internos que barravam os negócios entre as nações.

Além da possível perda de renda gerada pelos negócios com o governo chinês, o Brasil precisa estar atento aos efeitos gerados no mercado pela constante alta do algodão. Os colaboradores do Cepea indicaram o forte posicionamento dos vendedores e o valor recorde do dólar como os principais fatores para que o preço do algodão continue a crescer no mercado interno. Apesar de o aumento da moeda norte-americana sobre o real gerar um incentivo para as exportações, visto que os valores se tornam mais atraentes para o mercado estrangeiro, as altas cifras afastam o consumidor doméstico.

Produção em massa

(Fonte: Pixabay)

O relatório da Conab, feito em janeiro de 2020, identificou uma área de plantação de 1,66 milhão de hectares na safra 2019/2020. As plantações de algodão por aqui cresceram 2,7% em relação ao ano anterior. Atualmente, o Brasil tem capacidade de produção de 2,76 milhões de toneladas da planta; dessa forma, o cultivo de algodão é quatro vezes maior do que a quantidade necessária para as demandas domésticas. Com o número crescente de plantações, o País se posiciona no mercado com a necessidade de aumentar o número de exportações e atender às demandas globais da pluma de algodão, segundo os pesquisadores do Cepea.

Mato Grosso e Bahia são os maiores produtores de algodão em território brasileiro. Enquanto o estado do Centro-Oeste é responsável por 1,12 milhão de hectares de plantação, o estado nordestino tem 350 mil hectares. A Empresa Brasileira de Pesquisa e Agropecuária (Embrapa) realizou um relatório em que identificou que o Brasil é o único produtor de algodão no mundo que ainda tem espaço para crescer tanto em número de plantações quanto em produtividade.

Com tamanha importância no mercado, a responsabilidade sobre o país sul-americano aumenta. Como os contratos de vendas de commodities são firmados com antecedência, o Brasil não deve sentir os primeiros impactos da reaproximação dos governos dos EUA e da China; entretanto, com a constante alta do algodão e as dificuldades apresentadas pelo mercado interno, é preciso que o governo trabalhe com jogo de cintura para não sofrer prejuízo nos próximos meses de 2020.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Embrapa, Cepea.