Agronegócio se articula para manter abastecimento durante pandemia

Agronegócio continua garantido a chegada de alimentos aos lares brasileiros durante a crise provocada pela covid-19

Agronegócio se articula para manter abastecimento durante pandemia
11/05/2020 • 2 min. de leitura

Com as notícias da disseminação do coronavírus do Brasil, chegou-se a especular que o País poderia enfrentar uma crise de abastecimento de alimentos pela paralisação das atividades do agronegócio, como a produção e o transporte. No entanto, o setor tem demonstrado capacidade de articulação para continuar garantido a chegada de comida aos brasileiros.

Desde o início da crise, diversas instituições públicas e privadas da cadeia do agronegócio vêm atuando para garantir o abastecimento, a produção e a distribuição de alimentos. Entidades como a Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária (CNA) atuaram junto ao governo para incluir o agronegócio como atividade essencial durante a pandemia. A CNA também propôs uma série de medidas relacionadas ao crédito rural e à tributação para facilitar a vida dos produtores rurais.

Em outra frente, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) criou o comitê de crise Agro-Covid-19, para propor estratégias que diminuíssem o impacto da pandemia no setor. O grupo tem representantes da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), além de 14 integrantes de secretarias do Mapa.

A atuação está estruturada em ações de monitoramento e encaminhamento de soluções de curto prazo e elaboração de ajuste estrutural de médio e longo prazos. O comitê deve projetar cenários e elaborar propostas para se antecipar a impactos que poderão ocorrer nos sistemas produtivos, de mercados e demanda.

Uma das atribuições do Agro-Covid-19 é monitorar o preço dos alimentos, que pode ter variações semanais por causa da logística, mas deve ser normalizado com o passar do tempo.

Logística

(Fonte: Shutterstock)

Problemas pontuais chegaram a ser registrados com a logística de transporte em alguns locais, mas a situação foi contornada com a colaboração da Confederação Nacional de Municípios (CNM) após solicitação da CNA. O trabalho é reforçado com a colaboração do Ministério da Infraestrutura, que busca garantir que os alimentos consigam transitar do campo, em armazéns, agroindústrias, centros de distribuição, até as prateleiras dos supermercados.

O Ministério da Infraestrutura avalia positivamente o funcionamento do sistema de transportes. A pasta informa que os caminhoneiros estão tendo apoio nas estradas, com abertura de postos, oficinas e restaurantes. Além disso, os profissionais estão recebendo kits de alimentação e higiene com apoio de entidades dos setores público e privado.

Resultado da atuação do agronegócio

(Fonte: Shutterstock)

As medidas têm dado certo. Até o momento, o Mapa não registrou falta de gêneros alimentícios no País, mesmo com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) reportando um movimento acima da média em 90 mil estabelecimentos no período de 14 a 21 de março.

Dados levantados pela Conab mostram que o agronegócio será capaz de suprir as necessidades básicas alimentares da população brasileira. O órgão estima uma safra de grãos de 251,9 milhões de toneladas, número que supera em mais de 100 milhões de toneladas o volume consumido pelo mercado interno no ano passado.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).