Aumenta a participação dos orgânicos nas compras dos brasileiros

5 de setembro de 2019 3 mins. de leitura
Pesquisa mostra que 19% dos brasileiros consumiram alimentos orgânicos nos últimos 30 dias; porcentagem sobe para 35% quando considerado os últimos seis meses

A pesquisa Consumidor Orgânico 2019, realizada pela Bureau de Inteligência Corporativa (Brain) a pedido do Conselho Brasileiro da Produção Orgânica e Sustentável (Organis), evidenciou o aumento da penetração dos produtos orgânicos de 2017 para cá. Na pesquisa atual, 19% dos brasileiros afirmaram ter consumido algum produto orgânico nos últimos 30 dias. Na anterior, a porcentagem era de 14%.

Quando considerado os últimos seis meses, 35% dos entrevistados responderam que consumiram algum alimento orgânico. Os produtos mais comprados são frutas (25%), verduras (24%) e alface (21%). A pesquisa entrevistou 1.027 pessoas nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza, Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba, Manaus, Goiânia e Brasília, sendo 56% mulheres e 44% homens, de 18 a 40 anos, com renda de 1 a 10 salários mínimos.

Do total de entrevistados, 75% responderam considerar os produtos orgânicos muito mais caro ou mais caro. No entanto, 48% dessas pessoas entendem que a diferença de preço é justificada. “Se você considerar o volume de vendas, os orgânicos ainda são um produto de nicho. Mas quando se olha a penetração no consumo, o produto é ‘mainstream’”, diz Ming Liu, diretor da Organis. Ele se refere ao fato de a pesquisa atual ter apontado que 1 em cada 5 brasileiros consome algum produto orgânico, com frequência média de três vezes por semana, em especial hortifrútis.


Leia também
> Produtores e pesquisadores se voltam a práticas sustentáveis
> Rochagem pode ser usada para reduzir custos


Entre as regiões brasileiras, a Sul é a campeã no consumo de orgânicos com uma porcentagem de 23%. Na sequência, estão Nordeste, Sudeste, Centro-Oeste e Norte. A pesquisa entrevistou pessoas de todas os estratos sociais (A, B1, B2, C1, C2, D e E) e constatou que a penetração dos orgânicos se dá em todas as classes.

“Não acredito que os orgânicos vão abastecer o mundo, mas quem está preocupado com saúde e segurança dos alimentos precisa ter onde comprar”, diz Ming Liu, diretor da Organis

As feiras livres, segundo a pesquisa, é o local preferido dos consumidores de orgânicos. No entanto, quando indagados sobre o lugar que realizam a maioria das compras de perecíveis, os supermercados e hipermercados ganharam com uma porcentagem de 56%. De qualquer forma, os membros da Organis, presentes no evento de divulgação da pesquisa, salientaram a importância das feiras livres. Segundo eles, nelas os produtores vendem os alimentos orgânicos por um preço mais acessível, bem próximo dos produtos convencionais. Isso permite que brasileiros, de diferentes classes sociais, consumam orgânicos.

De acordo com a pesquisa, o principal motivo que leva as pessoas comprarem orgânicos é a saúde. “A questão da saudabilidade, segurança alimentar e rastreabilidade são os drives para o consumo de orgânicos”, diz Liu. Segundo ele, faltam estatísticas sobre orgânicos no Brasil. “Sabemos que os EUA representam 50% do mercado global de orgânicos. Lá, estes produtos tem uma participação de 5% no varejo. Não acredito que os orgânicos vão abastecer o mundo, mas quem está preocupado com saúde e segurança dos alimentos precisa ter onde comprar”, diz o diretor. Aos interessados, a íntegra da pesquisa pode ser acessada no site da Organis.

Gostou? Compartilhe!