Com o motor mais potente da categoria, picape facilita a vida de quem vive no campo

15 de agosto de 2019 4 mins. de leitura
Torque robusto até em baixas rotações, sistema inteligente de tração, assistentes de subida e descida e engate para reboque de fábrica ajudam propulsor da Amarok a puxar até seis toneladas em qualquer tipo de terreno

Faça chuva ou faça sol, o produtor rural monitora o desenvolvimento da lavoura, acompanha a engorda dos animais no pasto e vai até a cidade em busca de insumos para tocar a atividade. Nessas horas, não dá para escolher o terreno nem esperar o tempo melhorar. Contar com a eficiência do automóvel, portanto, torna-se fundamental.

Com 225 cavalos, o motor da Amarok V6 é o mais potente da categoria de picapes médias. Ele permite que o veículo vença solos úmidos, acidentados e pedregosos, além de rodar sobre o asfalto com desempenho de carro de passeio. “Acrescento a isso o torque. É ele que dá a força para superar obstáculos e permitir retomadas de velocidade rápidas em rodovias”, diz Mauro Balchiumas, especialista de produtos da Volkswagen.

A Amarok entrega a plenitude desse torque de 56,1 kgfm a partir de 1.500 rotações por minuto (rpm). Ou seja, mesmo pisando leve no acelerador, o produtor tem potência de sobra.

motor Amarok V6
Com 225 cavalos, o motor da Amarok V6 é o mais potente da categoria de picapes médias

Alguns dispositivos tecnológicos permitem que o motorista tenha controle total sobre a distribuição de força da picape. Exemplo disso é o sistema de tração 4Motion. Sem precisar apertar nenhum botão, o produtor tem à disposição uma tecnologia que distribui a tração do veículo de acordo com as condições do terreno. “O sistema identifica se a picape está numa situação off-road ou não e distribui a tração entre os eixos de acordo com a necessidade”, explica Balchiumas.

União de tecnologia e força

Por mais inóspitas, subidas e descidas deixam de ser um problema para o produtor rural. A Amarok é equipada com dois assistentes que tornam seguro o enfrentamento de aclives e declives, mesmo em terrenos acidentados.

Batizado de HSA, o assistente de subida controla o veículo para que, por exemplo, ele não dê aquela descidinha no tempo em que o motorista transita o pé entre o freio e o acelerador com a picape parada. “Já o controle de descida entra em operação nas rampas a partir de 9% de inclinação. Se o motorista estiver a até 30 km/h, pode tirar o pé do acelerador que o sistema HDC mantém a velocidade e se adapta ao terreno e às inclinações até o destino”, afirma Balchiumas.

> Leia também: com o uso da tecnologia, agricultor produz mais e melhor

Tudo isso funciona com a picape com ou sem carga. E a capacidade não é pequena. A Amarok consegue levar até 1.105 kg em sua caçamba. Além disso, puxa um reboque com mais 2.800 kg de carga. Se somarmos isso às mais de duas toneladas que a picape pesa, seu motor tem potência para transportar até seis toneladas.

Por falar em reboque, a Amarok é a única picape da categoria que sai de fábrica com ganchos de série. E isso é uma mão na roda, segundo Balchiumas: “esse engate ‘conversa’ com o sistema de controle de estabilidade e frenagem da picape e do próprio reboque”, explica. Se o reboque começa a dar aquela dançada atrás do carro, o sistema identifica e freia a picape e atua no freio do reboque, caso ele seja equipado com sistema de frenagem. E o sistema devolve o equipamento para a trajetória normal.

VW Amarok puxando barco
Sistema de engate da Amarok V6 garante estabilidade do item rebocado, mesmo em situações de mudança brusca de faixa

Assim, mesmo em situações de desvio de rota, mudança brusca de faixa etc., o item rebocado se mantém estável e no trajeto do rebocador, evitando, assim, acidentes e capotamentos. Com essa união de força e tecnologia, o produtor e sua carga chegam em segurança a qualquer destino.

Este conteúdo é patrocinado por Volkswagen.
Gostou? Compartilhe!