Tamanho-família

19 de dezembro de 2018 4 mins. de leitura
Na categoria de utilitários esportivos, os SUVs, a Toyota SW4 e o Jeep Compass são boas opções tanto para o uso urbano quanto na fazenda
A vida do produtor rural não se restringe à fazenda. Quando o objetivo é transportar toda a família, muitas vezes ele opta por um SUV, sigla em inglês de veículo utilitário esportivo. Nova preferência do mercado mundial, a modalidade está em franco crescimento no Brasil e já representa 24% do mercado, segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). O Caderno Agro testou dois dos maiores sucessos: a Toyota SW4, campeã entre os SUVs de grande porte com 12.135 unidades vendidas até novembro, e o líder isolado do segmento de porte médio, o Jeep Compass, que acumula 55.522 unidades emplacadas em 2018. Foram testadas as versões SRX diesel com sete lugares da Toyota e a Limited diesel com High Tech da Jeep. TOYOTA SW4 SRX DIESEL A SW4 é um carro, como todos os japoneses, produzido para durar. É um veículo grande, com 4,795 m de comprimento sobre chassi, e um conjunto de suspensão independente na dianteira e 4-link na traseira, o que resulta em conforto no asfalto e fora de estrada. Quando o assunto é o trem de força, a japonesa pode ser definida como honesta. O motor 2.7 de 177 cv apresenta torque de 45 kgfm na faixa de 1.600 a 2.400 rpm. Trabalha bem com o câmbio de seis marchas automáticas e entrega um desempenho justo e boa média de consumo: na estrada 14 km/l, e no uso misto 8 km/l. Não falta motor, mas também não passa a sensação de sobra. Isso se deve ao peso do veículo, 2.130 kg. Apesar de ser um carro pesado, o freio a disco nas quatro rodas segura bem, mesmo quando está chovendo ou em estradas com lama. O sistema 4×4 é acionado por uma chave no painel, tirando o carro de situações que exijam força e boa distribuição de tração. O veículo conta também com controle de descida de rampa. A SW4 traz linhas modernas no exterior com contornos de led nas lanternas e lataria ampla, sem muitos vincos. Já o interior é conservador, com bons materiais, softtouch nos painéis, banco em couro na cor marrom e volante com ajuste de altura e profundidade. A direção hidráulica é obsoleta, pois um carro na sua faixa de valor deveria trazer sistemas mais modernos. A central multimídia vem equipada com televisão e GPS, DVD, MP3 e Bluetooth. Fica devendo sincronização com sistemas AppleCar Play e android AUTO. A Toyota SW4 está disponível em quatro versões, sendo 2 flex e 2 diesel. Parte de R$ 169.190 na versão flex e chega aos R$ 267.690 na diesel. COMPASS LIMITED DIESEL HIGH TECH Caiu no gosto do público. Com 12% do mercado, é o SUV mais vendido. Talvez um dos segredos seja a conectividade aliada a um bom conjunto mecânico em uma carroceria sob medida. O carro tem 4,416 m de comprimento, um tamanho de fácil condução. A suspensão é um dos destaques do Jeep, sendo independente nas quatro rodas, o que traz conforto aos ocupantes e absorve as imperfeições do terreno. O Compass diesel vem com o motor 2.0 de 170 cv, que produz 35,7 kgfm a 1.750 rpm. Atrelado ao câmbio de nove marchas, o Jeep garante boas arrancadas. Além de bom desempenho, o conjunto é econômico. Na estrada, a média foi de 15,6 km/l. No uso urbano, 10 km/l. O sistema 4×4 gerencia de forma automática a tração e conta com um seletor de quatro tipos de terreno e auxílio de descida de rampa. O carro não apresentou dificuldades para vencer terrenos arenosos, com grandes ângulos de subida. Um equívoco talvez seja a roda 19” e pneus de perfil baixo para um carro com potencial off road. O acabamento interno é de boa qualidade, não havendo rebarbas e peças mal encaixadas. A conectividade do veículo chama atenção. Vem com uma tela de 8,4 polegadas, que sincroniza celulares, permite ouvir músicas e controlar desde o ar-condicionado até as configurações gerais do carro. O pacote High Tech, que equipava a versão testada, vinha com controle de mudança de faixa, freio automático, aviso de colisão ou batida, piloto automático adaptativo, banco elétrico para o motorista e sensor de ponto cego. Era também equipado com o Park Assist, que estaciona o carro sozinho, exigindo do motorista apenas o controle do acelerador e do freio. O Compass parte de R$ 111.990 na versão flex e chega a R$ 180.890 na versão Limited ou Trailhawk diesel.
Gostou? Compartilhe!