Projeto apresenta inovações que melhoram a produtividade do leite

26 de dezembro de 2019 6 mins. de leitura
Em sua 4ª edição, o movimento Ideas for Milk reúne estudantes e startups que criam soluções para a pecuária leiteira

O pontapé inicial do movimento Ideas for Milk (ideias para o leite, em português) foi dado na Embrapa Gado de Leite em 2015. Naquele ano, os dirigentes da entidade começaram a pensar em como fazer a cadeia leiteira se modernizar e ganhar rapidez e produtividade.

Para desenvolver tecnologias que ajudassem a cumprir essa meta, nasceu o projeto, que se sustenta sobre quatro pilares: Caravana 4.0, Vacathon, Desafio Startups e Troféu Ideas for Milk de Inovação.

Em sua 4ª edição, o movimento Ideas for Milk reúne estudantes e startups que criam soluções para a pecuária leiteira; na foto acima, a equipe que desenvolveu o Volutech

O primeiro alicerce consiste em caravanas de divulgação da iniciativa em universidades para estimular estudantes a participar do Desafio Startups. Neste ano, foram feitos 52 encontros em 11 estados.

O segundo é o Vacathon, uma maratona de programação e tecnologia voltada à cadeia do leite. “A gente convida as universidades, e elas formam times multidisciplinares, com estudantes que entendem de campo e outros com conhecimentos em ciência da computação, física, química, administração e economia”, diz Paulo Martins, chefe-geral da Embrapa Gado de Leite.


Leia mais
Por que a pecuária leiteira é tão importante?
Produtos lácteos: queijo e leite condensado abrem mercado externo para indústrias brasileiras


Nesta edição, foram 20 equipes, com um total de 120 alunos. Eles ficaram uma semana acampados em Juiz de Fora, na Embrapa Gado de Leite, para conhecer o universo do setor: animais, alimentação, as demandas de um laticínio etc.

Eles receberam a mentoria dos pesquisadores e depois tiveram 36 horas para apresentar as soluções. A inovação vencedora foi a Milcup, uma caneca com sensores eletrônicos. Ao colocar o leite nela, o produtor tem a análise em tempo real da presença ou não de mastite, uma inflamação nas glândulas mamárias da vaca que causa grandes perdas na produção leiteira. “

A caneca faz a contagem de células somáticas [responsáveis pela formação de tecidos e órgãos], que é o principal indicador de mastite. A leitura é realizada na hora e sem a necessidade de reagentes”, diz Sérgio Luís de Castro Júnior, engenheiro de biossistemas e mestrando do Núcleo de Pesquisa em Ambiência (Nupea), da Esalq–USP Piracicaba.

“É mais prático e acessível que o método tradicional, em que as amostras de leite precisam ser encaminhadas para um laboratório”, afirma.

O Desafio Startups tem uma abrangência maior. Podem participar não só estudantes universitários, mas quem já está no mercado. Neste ano, foram inscritas 58 soluções, e oito foram pré-selecionadas. No evento, que ocorreu no fim de novembro, os empreendedores foram sabatinados por especialistas.

A grande vencedora foi a equipe da Universidade Federal de Viçosa (UFV). Ela desenvolveu o Volutech, equipamento com sensor para medir o volume dos tanques de resfriamento de leite. Até então, o comum era medir o volume com uma régua, que pode apresentar erros, dependendo do nivelamento do piso da área em que o tanque está instalado.

“Os principais benefícios do Volutech são a confiabilidade dos dados de volume e o monitoramento da temperatura que o tanque usa para resfriar o leite e em quanto tempo faz isso. Essas características configuram a segurança e a qualidade do produto”, diz Sávio Filho, diretor de Vendas da Volutech.

Digestão mais fácil

O Troféu Ideas for Milk  (lista abaixo) é o último pilar e contempla empresas com iniciativas ou produtos inovadores. Entre as premiadas nesta edição está a linha Letti da fazenda Agrindus, que usou a genômica (estudo do DNA) para selecionar as vacas que produzem o leite com apenas a beta-caseína A2. Por não ter a beta- caseína A1, o produto é de mais fácil digestão.

O Ideas for Milk tem projetado o setor lácteo nacional dentro e fora do País. Em uma das viagens do governo à Índia, foram solicitadas à comitiva brasileira informações sobre o movimento. Além disso, a Embrapa foi convidada para compartilhar a iniciativa em um evento no Vale do Silício, polo aglutinadordas empresas de tecnologia nos EUA.

Mesmo não tendo premiação em dinheiro, o Ideas for Milk projeta as novas agtechs, empresas de tecnologia agropecuária que trazem soluções para a cadeia produtiva do leite, presente em 98% dos municípios brasileiros.

 Troféu Ideas for Milk

EmpresaInovação
NestléLinha de produtos orgânicos
Primeira empresa a desenvolver Supply Chain Management com foco na produção orgânica em escala, em parceria com fazendas orgânicas certificadas em boas práticas de produção e segurança do alimento.
CotrijalAcesso a tecnologia 4.0 (IoT) ao produtor familiar
Aumentar a rentabilidade de propriedades leiteiras familiares com o uso de tecnologias 4.0 para monitoramento de animais, contribuindo, dessa forma, com a evolução da cadeia do leite.
Verde CampoAusência de conservantes em toda linha de produção
Produz laticínios saudáveis sem conservantes, aromatizantes e corantes artificiais. Todos os produtos utilizam leite fresco recebido diariamente por fazendas certificadas em boas práticas produtivas e de bem-estar animal.
DanoneIogurte orgânico
É o primeiro iogurte orgânico infantil, feito com ingredientes de origem 100% natural, sem corantes, sem conservantes e adoçado com açúcar orgânico.
LettiLinha de leites provenientes de vacas A2A2
Primeira linha de leites produzidos exclusivamente de vacas A2A2 selecionadas genomicamente. O leite A2 apresenta uma digestão mais fácil, por não conter a proteína beta-caseína A1.
BetâniaYogi & Leve – bebida a base de iogurte que não precisa de refrigeração, gerando impacto na logística, por dispensar a cadeia de frio. O consumidor ganha com a praticidade de uma opção mais conveniente de alimentação fora de casa. O produto preserva as características nutricionais de iogurte, podendo ser consumido frio ou natural.
TirolezDuo Tirolez – Queijo Cottage com geleia de fruta
Lançamento de um produto inovador no mercado, que visa criar um valor diferenciado ao queijo cottage oferecendo um alimento nutritivo (com baixo teor de gordura e alto de proteína) e saboroso para pessoas preocupadas em consumir um lanche saudável.
Fonte: Embrapa

Por Lívia Andrade

Gostou? Compartilhe!