Joaquim Levy defende o ‘desmame’ do subsídio agrícola

27 de fevereiro de 2019 1 min. de leitura
Para o presidente do BNDES, a subvenção ao setor provocou distorções, como as pedaladas fiscais
Joaquim Levy: “O desmame tem de acontecer” Foto: André Dusek|Estadão
O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e ex-ministro da Fazenda, Joaquim Levy, defendeu nesta terça-feira, 26, o “desmame” de subsídios públicos para o financiamento do setor agrícola. “A ideia é de que o desmame tem de acontecer. O desmame tem de acontecer”, disse Levy durante o 20º CEO Brasil 2019 Conference, do BTG Pactual, em São Paulo (SP), ao ser indagado sobre as declarações sobre o tema da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, dadas ao Broadcast/Estadão. Ela avaliou que um “desmame” radical dos subsídios pode desarrumar o agronegócio, que responde por 20% do Produto Interno Bruto (PIB) do País. Levy citou distorções causadas por subsídios agrícolas, como as pedaladas fiscais, que geraram um passivo bilionário que precisou ser devolvidos pelo BNDES ao Tesouro. “Tem R$ 20 bilhões de pedaladas, R$ 20 bilhões de crédito rural que não tinha sido pagos e que devolvemos”, afirmou. Confira a íntegra da matéria de Cynthia Decloedt, Gustavo Porto e Francisco Carlos de Assis para o Estado.
Gostou? Compartilhe!