Mercosul e União Europeia fecham acordo de livre-comércio

28 de junho de 2019 3 mins. de leitura
Duas décadas depois, foi concluída a negociação que poderá alavancar em mais de US$ 87 bilhões o PIB brasileiro em 15 anos
Acordo entre Mercosul-UE foi fechado em Bruxelas duas décadas depois do início das negociações

Mercosul e União Europeia (UE) fecham acordo de livre-comércio duas décadas depois do início das tratativas. A conclusão da negociação se deu em Bruxelas com a participação de Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores, Tereza Cristina, ministra da Agricultura e Marcos Troyjo, secretário especial de comércio exterior e assuntos internacionais do ministério da Economia.

Segundo o comunicado divulgado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o acordo é um marco histórico, porque juntos os dois blocos representam 25% do PIB mundial e um mercado de 780 milhões de pessoas. Para o setor agropecuário, a assinatura significa a isenção de tarifa de exportação para uma série de produtos como suco de laranja, frutas e café solúvel. No caso do último, hoje os produtos enviados para a UE pagam alíquota de 9%.

Outro caso emblemático são as uvas sem sementes cultivadas no Vale do São Francisco. De acordo com Arnaldo Eijsink, CEO do grupo JD, um dos maiores produtores de uva do Brasil com 900 hectares de parreirais na Bahia e em Pernambuco, “a fruta brasileira enviada para o bloco tem uma tarifa de 14%, enquanto as uvas produzidas no Chile – que tem um acordo bilateral com UE – são isentas da alíquota”.

Maior acesso para carnes, açúcar e etanol

“Os exportadores brasileiros obterão ampliação do acesso, por meio de quotas, para carnes, açúcar e etanol, entre outros” diz o comunicado do Mapa. Segundo Tereza Cristina, ministra da Agricultura, o acordo deve ser implementado em dois anos.

O aumento de investimentos no Brasil será da ordem de US$ 113 bilhões em 15 anos

De acordo com as estimativas do Ministério da Economia, o acordo Mercosul-UE representará um incremento do PIB brasileiro de US$ 87,5 bilhões em 15 anos, podendo chegar a US$ 125 bilhões se consideradas a redução das barreiras não-tarifárias e o incremento esperado na produtividade total dos fatores de produção.

O aumento de investimentos no Brasil, no mesmo período, será da ordem de US$ 113 bilhões. Com relação ao comércio bilateral, as exportações brasileiras para a UE apresentarão quase US$ 100 bilhões de ganhos até 2035.

A UE é o segundo parceiro comercial do Mercosul e o primeiro em matéria de investimentos. O Mercosul é o oitavo principal parceiro comercial extrarregional da UE.

O acordo de livre-comércio entre os dois cobre temas tarifários, de natureza regulatória, serviços, compras governamentais, facilitação de comércio, barreiras técnicas, medidas sanitárias e fitossanitárias e propriedade intelectual.

Fonte: Mapa
Gostou? Compartilhe!