Caderno Agro ganha prêmio ‘José Hamilton Ribeiro de Jornalismo’

3 de dezembro de 2020 4 mins. de leitura
Publicada pelo Estadão, reportagem sobre semeadura direta, técnica que barateia a recomposição florestal, foi a vencedora na modalidade Jornal Impresso

Em uma cerimônia virtual, na noite do dia 2 de dezembro, foram anunciados os vencedores do prêmio “José Hamilton Ribeiro de Jornalismo”. A reportagem “Técnica barateia e otimiza a recomposição florestal”, de autoria da jornalista Lívia Andrade para o Caderno Agro – produzido pelo Media Lab Estadão de dezembro de 2019 –, foi a vencedora na categoria profissional, modalidade Jornal Impresso.

A reportagem aborda a semeadura direta, um método de recomposição florestal que consiste em plantar uma mistura com sementes de árvores nativas. A recuperação de um hectare com esta técnica custa entre R$ 7,5 mil e R$ 9 mil, enquanto o plantio convencional com mudas não sai por menos de R$ 15 mil.

Muito difundida pelo Instituto Socioambiental (ISA) na bacia do rio Xingu, a semeadura direta mobiliza uma rede de coletores de sementes. Entre eles, comunidades quilombolas, indígenas e produtores assentados. O alagoano José Severino da Silva é um deles.

Por muito tempo, seu Severino, como é conhecido, trabalhou no corte de cana. Mas há quase 20 anos, ele vive em Laranjal Paulista (SP) e ganha a vida se embrenhando nas matas para coletar sementes de mais de 70 espécies. “Algumas sementes eu coleto no chão, outras preciso subir na árvore. Mas cato apenas 70%, para deixar um pouco para o vento, os morcegos e os pássaros levarem para outros lugares”, diz o coletor.

Sobre a premiação – O prêmio “José Hamilton Ribeiro de Jornalismo” foi criado pela Associação Brasileira do Agronegócio da Região de Ribeirão Preto (Abag – RP) em 2008, com o objetivo de incentivar e reconhecer o trabalho jornalístico dedicado à divulgação de assuntos relacionados ao agronegócio.

Além de premiar os profissionais da área, a Abag – RP também condecora os jovens talentos, estudantes de jornalismo com trabalhos de destaque na temática agro nas modalidades Vídeo/Rádio e Escrita. O anúncio dos vencedores foi feito por Mônika Bergamaschi, presidente do Conselho Diretor da Abag- RP, em cerimônia virtual, que contou com a presença de José Hamilton Ribeiro, jornalista que dá nome ao prêmio e que é um ícone na comunicação do agronegócio. Abaixo, a lista dos estudantes e profissionais homenageados.

Jovem Talento – Categoria Vídeo e Rádio

1º lugar: Luiz Augusto Oliveira de Almeida e Oscar Bertoldi Nucci, da PUC Campinas, com a matéria “Agronegócio desenvolve ações para combater a homofobia”

2º lugar: Carina Gonçalves de Araujo, da Universidade Mackenzie, com a reportagem “Casamento do turismo rural e agronegócio”

3º lugar: Ana Laura Ortiz Siqueira, da Unifran, com a matéria “Ingredientes Regionais”

Jovem Talento – Categoria Escrita

1º lugar: Fernanda Machado, da PUC Campinas, com a reportagem “Extrativismo é o novo Eldorado amazônico”

2º lugar: Heloísa Taveira Neves, da Unifran, com a matéria “Aliada da Saúde”

3º lugar: Carina Gonçalves, da Universidade Mackenzie, com a reportagem “Indígenas cooperados do agronegócio: junção do moderno e o tradicional”

Profissional – Internet

1º lugar: José Soares Martins, da Agência Social de Notícias, com a matéria “A ciência e a extensão que alavancam o agronegócio, garantem comida na mesa e combatem a covid-19”

Profissional – Jornal Impresso

1º lugar: Lívia Andrade, do Caderno Agro – Estadão, com a reportagem “Técnica barateia e otimiza a recomposição florestal”

Profissional – Revista Impressa

1º lugar: Denise Saueresssig, da Revista A Granja, com a matéria “Irrigação: Segurança extra na lavoura”

Profissional – TV

1º lugar: Bruna Marin Assunção Ferreira, da TV Globo, com a reportagem “Conheça a versatilidade do bambu”

Canal Agro