Bancada ruralista perde nomes importantes

9 de outubro de 2018 2 mins. de leitura
Dos 119 deputados federais que compõem a poderosa bancada do agronegócio, apenas 54 deles foram reeleitos
A bancada ruralista na Câmara perdeu nomes de peso para a próxima legislatura nas eleições deste domingo, como os deputados Nilson Leitão (PSDB-MT) e Adilson Sachetti (PRB-MT), que concorreram ao Senado, mas não foram reeleitos. Boa parte da poderosa bancada do agronegócio, que tem hoje a participação ativa de cerca de 119 deputados federais, tentou a reeleição neste ano. Mas só 54 dos parlamentares se reelegeram para deputado federal, mas apenas 45% deles foi eleito, ou seja, . Entre os que retornam à Casa no próximo ano está a presidente da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), a deputada Tereza Cristina (DEM-MS) (foto). A parlamentar liderou o movimento da bancada em apoio ao candidato Jair Bolsonaro (PSL). O apoio do setor foi bastante disputado desde o início da campanha entre os candidatos ao Palácio do Planalto devido à força da bancada que é uma das mais bem organizadas do Congresso. No Paraná, o Sistema de Cooperativista do Estado (OCEPAR) elegeu 11 parlamentares que defendem o tema. Conforme o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, o resultado superou as expectativas, que era de eleição de dez parlamentares, dos 17 que faziam parte do Programa Pr.Coop+10. O resultado acaba beneficiando o agronegócio, uma vez que boa parte das cooperativas são agrícolas. Confira a matéria na íntegra no Broadcast|Agro.
Gostou? Compartilhe!