Assembleia paulista articula bancada do agronegócio

19 de março de 2019 2 mins. de leitura
Deputados estaduais se espelham em frente parlamentar do setor no Congresso para exercer influência na Casa
Plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) Foto: GABRIELA BILÓ/ESTADÃO
Parlamentares da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo protocolaram ontem pedidos de criação de duas frentes para defender o agronegócio paulista, setor que movimentou R$ 267,9 bilhões no Estado em 2017. O objetivo é construir um grupo de trabalho nos moldes da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA) de Brasília, exercendo uma influência na Assembleia similar ao poder que aquela bancada tem no Congresso Nacional. A Frente Parlamentar Agropecuária reúne 225 deputados e 32 senadores que atuam em favor de interesses do setor do agronegócio no Congresso, o que equivale a 43% do total de parlamentares. Em São Paulo, os pedidos protocolados foram para a criação da Frente Parlamentar do Agronegócio Paulista e da Frente Parlamentar da Agricultura. Cabe à presidência da Casa, ocupada por Cauê Macris (PSDB), aprovar ou rejeitar a criação dos dois grupos, de apenas um ou de fundi-los. Cada frente precisa de 20 assinaturas para ser protocolada e, depois, pode convidar integrantes. A frente liderada por Itamar Borges (MDB), a do Agronegócio Paulista, teve 70 assinaturas. A outra, a da Agricultura, criada pelo produtor rural Frederico d’Ávila (PSL), estreante na Assembleia, teve apoio de 28 parlamentares. D’Ávila atuou na campanha presidencial de Jair Bolsonaro. O grupo tem apoio do Instituto Pensar Agropecuária (IPA), mantido por 39 entidades empresariais do setor, e tem técnicos, advogados e agrônomos para orientar os parlamentares em seus votos. Confira a íntegra da matéria de Paulo Beraldo para o Estado.
Gostou? Compartilhe!