Acidentes no campo: conheça fatores de risco e formas de prevenção

A adoção de medidas de segurança é fundamental para evitar acidentes de trabalho e doenças ocupacionais

Acidentes no campo: conheça fatores de risco e formas de prevenção
23/01/2020 • 3 min. de leitura

Durante o exercício profissional, qualquer indivíduo está sujeito a acidentes de trabalho; e algumas funções apresentam mais riscos que outras. Trabalhadores rurais, por exemplo, são sete vezes mais propensos a fatalidades do que os da construção civil.

À medida que o agronegócio dispara, os acidentes de trabalho no campo têm se tornado uma grande preocupação no meio agrícola. Somente em relação à atividade em silos de grãos, foram registradas 106 mortes no País entre os anos 2009 e 2018. Muitas ocorrências poderiam ser evitadas com a adoção de medidas de prevenção — que, em sua maioria, já são previstas na Norma Regulamentadora 31/NR 31. Conhecer essa e outras legislações é importante para garantir a segurança dos trabalhadores.

(Fonte: Pixabay)

Principais fatores de risco

Lesões nos olhos, queimaduras, cortes nas mãos e intoxicações por agrotóxicos são os principais acidentes em áreas rurais. Nesses locais, são observáveis fatores de riscos que também podem provocar doenças relacionadas ao trabalho.

Riscos físicos

O trabalho ao ar livre, em condições de forte calor, pode causar fadiga, insolação e até câncer de pele. Se a tarefa também envolver o manuseio de maquinário pesado e/ou com vibração, o operador pode ter uma sensação de vertigem acompanhada de dores lombares.

Riscos mecânicos

As máquinas estão envolvidas em grande parte das situações que apresentam riscos, podendo causar acidentes como quedas de árvore e tombamentos de tratores. Quando animais são utilizados, os incidentes incluem coices, mordidas e cabeçadas.

Já os implementos agrícolas estão relacionados ao desenvolvimento de lesões por esforço repetitivo e doença osteomuscular, conhecidas respectivamente por LER e DORT. Ainda, as ferramentas cortantes e pontiagudas são capazes de provocar acidentes como cortes e esmagamentos.

Riscos químicos

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo. Os agroquímicos são utilizados para combater insetos e ervas indesejáveis e, consequentemente, aumentar os índices de produtividade.

O preparo e a aplicação dessas substâncias — como larvicidas, esterilizantes e reguladores de crescimento — em médio prazo provocam danos à saúde, como dermatite de contato e bronquite. Já o manuseio de excremento de animais pode expor o trabalhador à toxicidade do ácido sulfídrico e da amônia.

(Fonte: Pixabay)

Obrigações legais do empregador

A NR 31 é a principal norma para o trabalho no campo. Seu objetivo é garantir a saúde e a segurança nas atividades de agricultura, pecuária, silvicultura, aquicultura e exploração florestal, aplicando-se também às atividades de exploração industrial em estabelecimentos agrários.

Entre as várias responsabilidades do empregador, explicitadas no item 31.3.3 da NR 31, uma delas sintetiza a função dessa norma regulamentadora.

e) Analisar, com a participação da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho Rural – CIPATR, as causas dos acidentes e das doenças decorrentes do trabalho, buscando prevenir e eliminar as possibilidades de novas ocorrências.

A NR 31 ainda estabelece que cabe ao empregador fornecer aos trabalhadores, gratuitamente, equipamentos de proteção individual (EPI). São exemplos:

  • capacetes e chapéus;
  • protetores faciais;
  • óculos de segurança;
  • protetores auditivos;
  • respiradores com filtros;
  • botas;
  • perneiras;
  • macacões;
  • jaquetas.

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) estabelece diretrizes relativas à medicina do trabalho. Dentro desse contexto, foram criados o Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional (PCMSO) e o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), ambos aplicados ao trabalho rural.

3 medidas para evitar acidentes de trabalho

Além do dano causado ao trabalhador e à sua família, os acidentes de trabalho no campo geram um custo elevado para o empregador. É necessário fazer o pagamento de indenizações, oferecer auxílio médico e reparar os equipamentos.

Para que a produção não seja comprometida, algumas medidas preventivas devem fazer parte da rotina de trabalho agrícola. Veja abaixo:

#1 Cumpra as legislações. NR 31, PCMSO e PPRA e outras legislações visam fomentar uma cultura de segurança no ambiente de trabalho, a fim de evitar acidentes. O descumprimento das NRs, por exemplo, pode gerar multas e embargo de equipamentos.

#2 Capacite seus colaboradores. O operador de máquinas agrícolas deve ser treinado para realizar tal função, com o propósito de extrair todo potencial do equipamento com segurança. Atualmente, a falta de mão de obra qualificada é um dos desafios do setor.

#3 Use a tecnologia a seu favor. Muito além da mecanização, a Agricultura de Precisão faz uso de softwares na lavoura para gerar mais eficiência nas atividades. Além disso, é possível prevenir acidentes por meio do gerenciamento de equipamentos à distância.

Curtiu o assunto? Reunimos especialistas e autoridades de diferentes áreas do   setor de agronegócios. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: BBC, Jacto.