O que é NPK e como o adubo deve ser utilizado

17 de fevereiro de 2020 5 mins. de leitura
A adubação é fundamental para o desenvolvimento correto das plantas

Para que cresçam e se desenvolvam de maneira adequada e saudável, as plantas precisam de nutrientes. Entre os cerca de 17 minerais que são essenciais para as plantas, destacam-se três macronutrientes: nitrogênio, fósforo e potássio (representados pela sigla NPK).

Quando morrem e se decompõem, as plantas devolvem os nutrientes ao solo, fazendo que outras plantas os utilizem no seu desenvolvimento até que também morram e se decomponham, seguindo esse ciclo natural. Porém, no momento que são colhidas, desmatadas ou podadas, essa sequência é interrompida, por isso a adubação é tão importante.

(Fonte: Shutterstock)

Tipos de adubo

Os adubos podem ser divididos em dois tipos: orgânicos ou naturais e químicos ou inorgânicos. Independentemente do tipo de adubação, o objetivo será sempre fornecer NPK para as plantas. A principal diferença entre os naturais e os químicos é o tempo de absorção dos nutrientes. Com a adubação orgânica, as plantas absorvem os minerais de maneira mais lenta; já com a adubação inorgânica essa absorção é mais rápida — no entanto, a atuação do adubo orgânico é mais duradoura.

O adubo orgânico é composto de matéria de origem vegetal ou animal e melhora a qualidade da terra, privilegiando a oxigenação das raízes. Os adubos químicos são oriundos da extração de minérios ou do petróleo e os seus nutrientes já começam a ser absorvidos pelas plantas no momento da adubação; como ele não penetra na terra, o que não é absorvido acaba sendo desperdiçado.

Adubos NPK

Cada componente do NPK exerce uma função. O nitrogênio (N) é o responsável pelo crescimento e desenvolvimento de raízes, caules e folhas. A planta absorve, ainda no começo da vida, a maior parte do nitrogênio de que precisa e o armazena em seus tecidos de crescimento. Ele é recomendado para estimular a brotação e o enfolhamento e é ótimo para folhagens e gramados.

O fósforo (P) é fundamental na formação da clorofila e aumenta a capacidade da planta para absorver os elementos férteis do solo, uma vez que age no desenvolvimento radicular. Ele tem papel essencial na qualidade dos frutos e maturação das sementes, devendo ser mais utilizado em culturas com o objetivo de criação de raízes, aumento de floradas e frutificação e produção de sementes. Não menos importante é o potássio (K), que contribui na formação de tubérculos e rizomas, fortalece os tecidos vegetais e ainda aumenta a resistência contra a seca.

(Fonte: Shutterstock)

Fórmulas de NPK

Os adubos NPK têm diferentes fórmulas, com quantidades variadas dos nutrientes e que devem ser utilizados de acordo com a necessidade de cada planta. Os mais conhecidos são:

  • NPK 4-14-8 (quatro partes de nitrogênio, 14 partes de fósforo e oito partes de potássio): ideal para espécies que produzem flores e frutos, como hibisco, azaleias, violetas e cítricos. Os fabricantes dizem que essa formulação é ideal para ser aplicada no momento do plantio e no preparo do solo devido ao seu alto teor de fósforo;
  • NPK 10-10-10 (partes iguais dos três elementos): essa fórmula é destinada a espécies que não florescem e não produzem frutos, como as samambaias. Também é ideal para plantas já formadas e pode ser usada em flores, folhagens, hortaliças e frutíferas;
  • NPK 15-15-20 (15 partes de nitrogênio, 15 partes de fósforo e 20 partes de potássio): essa fórmula é rica em potássio e considerada bem prática, uma vez que pode ser usada também no cultivo hidropônico, indicada especialmente para hortas

Existe ainda o mercado de fórmulas preparadas especialmente para determinadas espécies de plantas ornamentais, como violetas, orquídeas, rosas e samambaias.

Como usar o NPK

Primeiro, deve-se ter em mente qual é a época em que cada planta mais demanda os nutrientes. Por exemplo, durante os meses de outono e inverno, as plantas diminuem suas atividades e precisam de menos adubo; ou seja, os meses chuvosos são os ideais para o uso de NPK — nos demais, recomenda-se a adubação natural.

As adubações devem ser realizadas antes do período de florescimento e após a colheita ou poda, para compensar as perdas de nutrientes. O excesso de químicos pode interferir no metabolismo da planta, prejudicando seu desenvolvimento e provocando, inclusive, queimaduras. Deve-se respeitar as instruções e recomendações feitas pelos fabricantes.

O Brasil é o quarto maior mercado de fertilizantes, perdendo apenas para China, Índia e Estados Unidos. Segundo a Associação Nacional para a Difusão de Adubos (Anda), o País deve atingir a marca histórica de 36,2 milhões de toneladas de NPK vendidas em 2019. A utilização dos adubos químicos cresceu 450% por aqui nos últimos 30 anos; nesse mesmo período, o aumento médio mundial não passou de 50%.

Se interessou pelo assunto? Aprenda mais com especialistas da área no Summit Agro. Enquanto isso, acompanhe as notícias mais relevantes do setor pelo blog. Para saber mais, é só clicar aqui.

Fontes: Adoro Plantas, Nutrição de Safras

Gostou? Compartilhe!