Recursos do Moderfrota acabam em março de 2019

29 de novembro de 2018 2 mins. de leitura
Em conversa com a equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro, representante do setor reivindica remanejamento de verba para suplementação do programa de financiamento de máquinas agrícolas
Setor de máquinas agrícolas quer mais recursos para o Moderfrota, principal linha de financiamento do segmento
O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), João Marchesan, pediu à equipe do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro o remanejamento de recursos financeiros para a suplementação do programa Moderfrota de financiamento de máquinas agrícolas. Ele esteve reunido na segunda-feira com o economista Paulo Guedes, indicado para comandar o ministério da Economia, e hoje se encontrou com a deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), que comandará a Agricultura. A demanda foi encaminhada ao atual presidente, Michel Temer, em reunião no Palácio do Planalto. Marchesan contou que entregou a todos um ofício com dados do desembolso do programa e que os recursos disponíveis não chegarão até 31 de março de 2019, três meses antes do fim do ciclo agrícola 2018/19, em 30 de junho. “Estamos vendo que o saldo que está sobrando, por volta de R$ 4 bilhões, não chega até o final de março. Não vai ter dinheiro para o financiamento nas principais feiras de máquinas do País, que começam justamente a partir desse mês”, disse o presidente da Abimaq ao sair do encontro com Tereza Cristina no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília (DF), sede do governo de transição. A falta de recursos para o Moderfrota foi antecipada pela Coluna do Broadcast Agro no último dia 9 de novembro. Dados do setor atualizados pela Abimaq apontam que a linha, fomentada pelo BNDES e com juros de 7,5% a 9,5% ao ano, já consumiu R$ 5 bilhões dos R$ 8,9 bilhões destinados para atual safra, de acordo com Marchesan. “Além de menos recursos, houve um crescimento de 58% no desembolso”, disse. “Estão todos informados e espero que haja o remanejamento de verbas de outros programas suplementar”, concluiu. (Fonte: Gustavo Porto/ Broadcast Agro)
Gostou? Compartilhe!